Inflação encerra julho com alta de 0,90% em Belém

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi divulgado hoje (10) pelo IBGE. 
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Com os aumentos da energia elétrica e da passagem aérea, a inflação na região metropolitana de Belém encerrou o mês de julho em alta de 0,90%. Em comparação com junho (0,24%), o índice subiu 0,66 ponto percentual. Com isso, o indicador acumula alta de 4,56% no ano e de 8,90% nos últimos 12 meses.

A inflação desse ano também foi maior do que a registrada em julho de 2020 (0,72%). Os dados são do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado hoje (10) pelo IBGE. 

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta em julho. A maior variação (3,69%) veio da habitação, com a alta da energia elétrica (6,94%), que acelerou em relação ao mês anterior (0,37%) e registrou o maior impacto individual no índice. 

“Além dos reajustes nos preços das tarifas em algumas áreas de abrangência do índice, a gente teve o reajuste de 52% no valor adicional da bandeira tarifária vermelha patamar 2 em todo o país. Antes o acréscimo nessa bandeira era de, aproximadamente, R$ 6,24 a cada 100kWh consumidos e, a partir de julho, esse acréscimo passou a ser de cerca de R$ 9,49”, explica o analista da pesquisa, André Filipe Guedes Almeida. Outro produto do grupo que apresentou aumento foi o gás de botijão (4,46%)

O segundo grupo que mais elevou a inflação foi transportes (1,49%), puxado pelas passagens aéreas, cujos preços subiram 18,22% em julho, depois da queda de 5,68% em junho. Além disso, os combustíveis também subiram (2,67%), acumulando alta de 26,78% no ano e de 33,91% nos últimos 12 meses. O item com maior aumento foi a gasolina (2,68%), seguido pelo óleo diesel (2,10%).

Depois de ter desacelerado em junho (-0,18%), alimentação e bebidas voltaram a subir em julho, com alta de 0,33%. Os maiores aumentos vieram do tomate (18,65%), da cenoura (13,02%), das carnes e dos peixes industrializados (4,67%). Em contrapartida, caíram os preços da cebola (-13,51%), da batata-inglesa (-12,03%), do arroz (-4,51%) e do açaí (-3,13%).
Somente o grupo saúde e cuidados pessoais (-1,11%) teve queda no período, com a redução dos preços dos planos de saúde (-1,40%). Em julho, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) autorizou um reajuste negativo de -8,19% em função da diminuição da utilização de serviços de saúde suplementar durante a pandemia. 

“Foi o primeiro reajuste negativo autorizado pela ANS desde a sua criação. Esse reajuste é retroativo a maio de 2021 e vai até abril de 2022, a depender do aniversário de contrato dos beneficiários. Assim, no IPCA de julho foram apropriadas as frações mensais relativas aos meses de maio, junho e julho”, explica André Filipe Almeida. Além disso, também tiveram queda os preços de produtos farmacêuticos e óticos (-1,38%).