Impasse: Prefeitura de Marabá autoriza funcionamento de bares, mas polícia diz que cumprirá decreto estadual que determina fechamento

Decreto municipal publicado no dia 14 permite o funcionamento dos estabelecimentos até a meia noite, com 50% da sua capacidade
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Após a Prefeitura de Marabá informar que os bares continuariam abertos na cidade, como determina o decreto municipal publicado no dia 14 de janeiro, os comandos das Polícias Civil e Militar enfatizaram que cumprirão o que determina o decreto estadual publicado nesta quinta-feira (21), proibindo o funcionamento de bares e casas noturnas, como medida de enfrentamento à Covid-19.

Na tentativa de manter os estabelecimentos abertos, os proprietários de bares se reuniram com o Superintendente Regional de Polícia Civil, delegado Thiago Carneiro, e com o comandante do 2º Comando de Policiamento Regional, Coronel Benedito Tobias Sabbá, na tarde desta quinta, em frente à sede da prefeitura. Os empresários ressaltaram que estavam cumprindo o decreto municipal, que permite o funcionamento de bares com 50% da capacidade, até a meia-noite.

As autoridades policiais reafirmaram que vão fazer cumprir com as medidas restritivas do decreto estadual e manter bares fechados, bem como proibir a realização de festas e shows. Já os restaurantes, lanchonetes e similares, só poderão funcionar até a meia-noite.

Coletiva de Imprensa

Os donos de bares e estabelecimentos noturnos gravaram um vídeo direcionado ao governador Helder Barbalho, onde relatam que estão cumprindo com as normas de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus e que todos precisam trabalhar. O setor reclama que tem tido prejuízo durante a pandemia, acumulando dívidas e até risco de fechar os estabelecimentos.

Na manhã desta sexta-feira (22), a Associação dos Bares, Casas Noturnas, Distribuidoras, Conveniências, Lanchonetes, Músicos e Artistas do Estado do Pará realizará uma coletiva com a imprensa para relatar a situação enfrentada pelo setor.

Por Dayse Gomes

Publicidade