ICMBio e Vale renovam convênio para proteção da Floresta Amazônica em Carajás

Cerca de R$ 80 milhões serão disponibilizados para ações de vigilância 24 horas, combate ao incêndio e infraestrutura física e logística.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Vista aérea da Floresta Nacional doTapirapé-Aquiri. (Foto: Ricardo Teles)

Continua depois da publicidade

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e a Vale renovaram convênio para implantação e proteção das unidades de conservação de Carajás. Em apoio ao órgão ambiental, a empresa e a Salobo Metais irão disponibilizar cerca de R$ 80 milhões para ações de vigilância 24 horas, combate à incêndio e infraestrutura física e logística.

Segundo o chefe do Núcleo de Gestão Integrada do ICMBio Carajás, André Luís Macedo Vieira, o apoio é fundamental para conservação. “O apoio da Vale, previsto no Decreto de criação da FLONA Carajás é um instrumento vital para a conservação do território de Carajás e da savana metalófila, ecossistema único no mundo e encontrado apenas no interior das unidades de conservação”, diz Macedo.

A área de floresta Amazônica na região de Carajás abrange as unidades: Floresta Nacional (Flonaca), Reserva Biológica do Tapirapé, Floresta Nacional do Tapirapé-aquiri, Floresta Nacional do Itacaiúnas, Área de Proteção Ambiental do Igarapé Gelado e o Parque Nacional dos Campos Ferruginosos (Parna). O conjunto de unidades equivale a uma área de 800 mil hectares de floresta nativa preservada. A mineração ocupa cerca de 2% desse total.

Apenas áreas protegidas permanecem conservadas

O mosaico de Carajás também é a maior área de Floresta Amazônica contínua e conservada no sudeste do Pará. O mapa mostra a evolução da região desde 1973 até os dias de hoje. Com a animação feita por imagens de satélite com base em estudo científico do Instituto Tecnológico Vale percebe-se somente a área protegida pelo ICMBio permanece conservada, toda área ao redor sofreu degradação, com o avanço da ocupação humana e de áreas de pastagens. Desde a implantação das primeiras unidades de conservação na região em 1988, a Vale apoia a proteção.

Com informações da VALE

Publicidade