Parque Nacional dos Campos Ferruginosos terá Conselho Consultivo

ICMbio Carajás iniciou processo de criação do conselho que irá atuar pela conservação da biodiversidade das unidades de conservação.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O Núcleo de Gestão integrada do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (NGI ICMBio Carajás) iniciou o processo de criação do Conselho Consultivo do Parque Nacional dos Campos Ferruginosos (PARNACF). A ação tem apoio de varias entidades, que compõem o Grupo de Trabalho (GT) com a missão de planejar e executar as atividades que irão dar origem ao conselho. O processo finalizará com a publicação da Portaria no Diário Oficial da União.

Nesta semana, durante a realização do terceiro encontro na CEUP de Parauapebas, foram apresentadas as informações sobre o PARNACF e o papel do conselho, que irá atuar pela conservação da biodiversidade das unidades de conservação. O GT também discutiu a importância da participação social na política e gestão ambiental, além do uso de território e os seus conflitos.

A formação de Conselhos Consultivos é determinada pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação, com a promoção de fórum de discussão e gestão ambiental participativa. Os conselheiros devem se manifestar sobre os assuntos que afetam a unidade e sua área de influência e participar da elaboração, implementação, e avaliação dos instrumentos de gestão das unidades, como Planos de Manejo das unidades de conservação.

O Conselho é composto por representantes de diferentes setores, como órgãos públicos, associações, sindicatos, organizações da sociedade civil e institutos de ensino e pesquisa que atuem na região.

Os possíveis conselheiros do PARNA Campos Ferruginosos estão sendo identificados pelo grupo de trabalho, e após concluída esta etapa, serão mobilizados para integrar a discussão do Conselho.

Parque Nacional dos Campos Ferruginosos

O Parque Nacional dos Campos Ferruginosos, criado em 2017, é uma unidade de conservação de proteção integral de 79 mil hectares que abriga o maior número de cavernas ferríferas do Brasil. Tem como objetivo proteger um ecossistema raro relacionado aos afloramentos rochosos de hematita, conhecido como savana metalófila ou canga, além de proporcionar um espaço para desenvolvimento de atividades de ecoturismo e educação ambiental.

A gestão da unidade de conservação é realizada pelo Núcleo de Gestão Integrada do ICMBio Carajás (NGI ICMBio Carajás), autarquia federal responsável pela gestão de seis unidades de conservação federais no sudeste do Pará. A criação do Conselho Consultivo visa envolver a sociedade na gestão da área protegida, e é uma das etapas para a consolidação da unidade de conservação.

Com informações da ICMbio Carajás