Há uma semana de prazo final, congressistas finalizam indicação de emendas ao Orçamento

Além das emendas individuais, as bancadas estaduais têm até 1º de março para apresentar as emendas a que têm direito
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Bancada do Pará deve se reunir essa semana para finalizar indicações das emendas de bancada

Continua depois da publicidade

Brasília – O Comitê de Admissibilidade de Emendas (CAE), órgão vinculado à Comissão Mista de Orçamento (CMO), divulgou neste sábado (20) um documento com diretrizes e orientações para a elaboração das emendas individuais e de Bancada ao Orçamento Geral da União de 2021 (PLN 28/2020). Termina na próxima segunda-feira (1º) o prazo para que senadores, deputados e bancadas estaduais apresentem suas indicações.

De acordo com o texto, o valor total das emendas impositivas individuais por parlamentar é de R$ 16.279.986, distribuídos em até 25 emendas. Pelo menos a metade desse valor deve ser destinada à Saúde. As emendas de bancadas estaduais com garantia de execução e contingenciamento proporcional ficam limitadas a R$ 241.460.468 por unidade da Federação.

A Bancada do Pará no Congresso deve marcar reunião nesta semana para fechar as indicações das emendas que apresentarão ao Orçamento. O encontro será presidido pelo novo coordenador da bancada paraense, deputado Hélio Leite (DEM-PA).

Apenas o senador Paulo Rocha (PR-PA) é membro titular da CMO e terá papel importante na tramitação e votação da matéria. O Orçamento deve ser votado pelo Congresso Nacional até o dia 24 de março.

O CAE adverte que o prazo reduzido para a apreciação do Orçamento “exigirá maior esforço de todos na elaboração de emendas”, de acordo com calendário divulgado pela CMO. “Considerando-se a exiguidade de prazos e a dificuldade de ajustes após a entrega, recomendamos que seja promovida uma análise prévia da compatibilidade técnica e jurídica das emendas coletivas,” destaca o documento.

Presidente defende desindexação total do orçamento

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), defendeu em entrevista no final de semana a desindexação e desvinculação total do Orçamento. Lira disse que atualmente o Orçamento tem 96% das despesas carimbadas e citou que prefeitos e governadores são obrigados a jogar dinheiro fora para cumprir o mínimo constitucional.

“Vamos buscar o comando do Orçamento. O Congresso hoje é um carimbador do Orçamento. O Orçamento vem pronto, todo pré-fixado, com 96% de despesas carimbadas. Defendo a desvinculação total do Orçamento. Eu defendo; se o Congresso vai votar, se não vai votar… Aí a gente tem que ter o respeito de ouvir todos. A população tem de escolher o deputado: ‘Ah, eu quero que tenha no Orçamento 40% para educação’. Então a população vai votar em deputados que defendam a Educação,” disse o presidente da Câmara dos Deputados.

A desindexação é quando há o fim da obrigatoriedade de revisão de salários, aposentadorias e benefícios pela inflação. Já a desvinculação é quando o Orçamento deixa de ter recursos carimbados para determinadas áreas como Saúde e Educação. “Eu quero desvincular o Orçamento. Hoje, você tem orçamento que bota 25% pra educação, 30% pra saúde, ‘x’ para penitenciárias; vem todo carimbadinho. Então, de 100% do Orçamento, 96% você não pode mexer,” justificou.

Lira também defendeu a criação de um auxílio permanente para a população de baixa renda. Segundo ele, a proposta é criar um “irmão gêmeo do Bolsa Família, só que mais aprimorado”. Entretanto, a equipe econômica ainda não enviou uma proposta de como seria a nova rodada do auxílio emergencial.

Por Val-André Mutran – de Brasília