Governo vai conceder PA-150/Alça Viária à iniciativa privada

Anúncio foi feito pelo titular da Sedeme na abertura do evento internacional
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Projetos do Pará foram apresentados no fórum internacional

Continua depois da publicidade

Brasília – O secretário estadual de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (SEDEME), José Fernando de Mendonça Gomes Júnior, anunciou que o Complexo Rodovia PA-150/Alça Viária será concedida à iniciativa privada na abertura da 4ª edição do Brasil Investment Forum (BIF) 2021, encerrado na terça-feira (1º). Promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e organizada pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), a iniciativa prioriza ações autossustentáveis. A meta é focar em projetos que preservem o meio ambiente, agregando mais empregos e novas opções de renda para a população de todas as regiões do Brasil.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) acompanhado de vários ministros, discursou na abertura do BIF 2021, considerado o maior evento internacional de atração de investimentos da América Latina, porque facilita o contato direto com investidores estrangeiros e executivos de grandes empresas brasileiras. Foram 101 países inscritos, estandes virtuais de 26 Estados mais o Distrito Federal, patrocinadores, organizadores e parceiros.

O Blog do Zé Dudu foi o único órgão de comunicação credenciado do Pará que cobriu integralmente os dois dias do forum internacional. Foram apresentados aos investidores brasileiros e estrangeiros 60 projetos, com investimentos estimados em US$ 72 bilhões de dólares (R$ 370,61 bilhões de reais na cotação de hoje) e previsão de geração de 22 mil empregos até o fim do ano que vem.

Os ministros aproveitaram para “surfar na onda“ de otimismo que há dois dias consecutivos fez a B3 quebrar sucessivos recordes no fechamento dos papéis elevando para 6% o ganho real do investidores, alta na Bolsa de Valores e queda substancial do dólar. A semana abriu com uma valorização de 5% da tonelada de minério de ferro na China, puxando significativamente a valorização das ações da Vale S/A, alavancando a alta geral das ações das empresas brasileiras.

Segundo Bolsonaro, a pandemia de Covid-19 não vai comprometer o “longo prazo” da economia brasileira. “A atual crise sanitária enseja preocupações, mas não tem o poder de comprometer o longo prazo de uma das maiores economias do mundo. O Brasil está, mais do que nunca, preparado para oferecer oportunidades únicas a investidores de todo o mundo por suas potencialidades, assim como, por sua segurança jurídica e econômica, que busquei fortalecer durante meu governo”, ressaltou.

Bolsonaro comemorou o ingresso dos investimentos estrangeiros no país nas últimas semanas. Disse que seu governo está comprometido com reformas e que a economia brasileira retomou o crescimento e a criação de empregos e que o país oferece segurança jurídica e econômica para o capital estrangeiro que apostar no Brasil.

“Como uma das dez maiores receptoras de investimentos estrangeiros diretos no mundo, a economia brasileira já retomou o seu crescimento e a geração de empregos. A participação de tantos executivos de empresas globais relevantes neste evento reflete o interesse que partilhamos ao ver o Brasil produzir cada vez mais e melhor”, afirmou.

O presidente defendeu o fortalecimento da Organização Mundial de Comércio (OMC) e um Mercosul mais “dinâmico”. Lembrou seu discurso na Cúpula de Líderes sobre o Clima, organizada no mês passado pelos Estados Unidos, e disse que desenvolvimento e sustentabilidade não são opostos para conter o aquecimento global.

José Fernando de Mendonça Gomes Júnior, titular da Sedeme, disse que: ”O Governo do Pará quer ser um parceiro ativo de longo prazo com o setor privado”

Complexo PA-150/Alça Viária

Maior economia do Norte do Brasil, o estado do Pará apresentou seis setores prioritários para imediato investimento: mineração, agronegócio, energia, logística, bioeconomia e infraestrutura.

José Fernando de Mendonça Gomes Júnior, titular da Sedeme, disse que: ”O Governo do Pará quer ser um parceiro ativo de longo prazo com o setor privado e, para isso, está instituindo um modelo de desenvolvimento harmonioso e sustentável baseado no tripé conhecimento-produção-governança. Estamos prontos para receber seu investimento”, convidou os investidores na abertura do BIF 2021.

O secretário apresentou aos investidores a oportunidade de investimento na concessão à iniciativa privada do Complexo que engloba parte da Rodovia PA-150/Alça Viária (BR-316).

Concessão do Complexo PA-150/Alça Viária

De acordo com José Júnior, o projeto está orçado em US$ 783 milhões de dólares (R$ 4,03 bilhões de reais, na cotação de hoje). O modelo prevê a operação e gerenciamento de 525,5 km de rodovia no trecho

de conexão entre Morada Nova (Sul do Pará) até Vila do Conde, Porto de Balsas (Acesso a Belém) e BR-316, com prazo de concessão para exploração por 30 anos.

Detalhamento da concessão do Complexo PA-150/Alça Viária

O projeto prevê a aquisição de 5 veículos para inspeção de tráfego; 5 guinchos de luzes; 3 guinchos pesados; 3 estações móveis de pesagem e

2 equipes de operação para tocar o complexo.

O Pará segue como maior produtor e exportador de minério de ferro do Brasil, e o estande virtual do Pará no BIF 2021 contou com uma equipe de profissionais da Companhia de Desenvolvimento Econômico do Pará (Codec) e da Sedeme para atender os investidores que puderam agendar reuniões, participar de chats ao vivo e ter acesso ao conteúdo promocional de negócios do Estado, que ficou disponível para download.

O gerente de Atendimento a Novos Negócios da Codec, Augusto Cesar Anunciação, disse que a equipe do governo explicou aos investidores as políticas públicas do Pará, como a de incentivos fiscais estaduais, PPP (Parcerias Público-Privadas), além de oferecer análises de cenário para os investimentos.

“O Estado do Pará marcou presença na quarta edição do Brasil Investment Forum 2021, o evento nesse ano aconteceu em formato online, nas três primeiras edições estivemos participando presencialmente. O estande do Pará neste ano foi muito procurado, recebemos mais de 100 visitas e realizamos diversas reuniões online e foram programadas outras no pós-evento. Os setores mais procurados pelas empresas foram bioeconomia, energia, mineração e agronegócio”, explicou.

“A expectativas é de geração de 2.574 empregos diretos com a execução dos projetos apresentados”, estimou Anunciação.

Novos projetos

O governo Helder Barbalho vai investir na criação da Zona de Processamento de Exportações de Barcarena. Na restauração, conservação e proteção dos distritos industriais de Ananindeua, Barcarena, Icoaraci e Marabá, e já está em diálogo com os municípios para a criação dos distritos industriais de implantação de distritos industrias de Castanhal, Marituba, Breves, Santarém e Tucuruí.

O governo vai tirar do papel e construir a Rodovia Liberdade, com 99 km de extensão, que será uma rodovia expressa entre Belém e Santa Maria do Pará e garantiu a construção dos 1.312 km de Ferrovia entre Barcarena e Santana do Araguaia que já está na fase de elaboração do modelo de concessão para exploração.

Além disso, de acordo com o gerente da Codec, foram apresentados outros projetos. O plano foi “apresentarmos alguns projetos estratégicos como os de rodovias e portos, que visam melhorar a infraestrutura do Estado”, disse.

“Para os próximos anos, a nossa expectativa é ter contato com grandes investidores nacionais e estrangeiros e também com fundos de investimento, fundos soberanos, entre outros, que estarão participando e que poderão muito agregar nesse processo de desenvolvimento do Pará para os próximos anos”, informou.

No âmbito das políticas públicas, segundo o secretário adjunto da Sedeme, Carlos Ledo, atualmente, o Pará possui uma cartela de 149 empresas incentivadas pelo governo, dentro da política de incentivos fiscais, para o aumento da produção, geração de empregos e verticalização da indústria na Amazônia.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Publicidade