Notícias

Governador reúne com presidente do TRE e fala sobre o plebiscito

“Seja qual for o resultado do plebiscito, nós teremos o dia seguinte. E é com isso que eu me preocupo. As pessoas valorizam o plebiscito em si, o ato da …

“Seja qual for o resultado do plebiscito, nós teremos o dia seguinte. E é com isso que eu me preocupo. As pessoas valorizam o plebiscito em si, o ato da decisão, da escolha. Mas como governador tenho de estar atento com o dia seguinte porque, seja qual for a escolha da maioria, eu não posso ter a ingenuidade de imaginar que não haverá pessoas descontentes com o resultado. E o Estado é que terá de administrar isso”, afirmou o governador Simão Jatene, durante a visita que fez na manhã desta quinta-feira, 25, ao presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Pará, Ricardo Ferreira Nunes.

O encontro aconteceu um dia após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter definido que toda a população do Pará – e não somente a das regiões que pleiteiam a emancipação – deverá ser consultada no plebiscito de 11 de dezembro, que irá decidir se o Estado será ou não dividido em três, com a criação dos Estados do Tapajós e de Carajás. “Estive em Brasília conversando com os ministros para expor minha preocupação quanto à decisão que seria tomada em relação à forma como essa votação se processará. Avalio que a decisão tomada por eles foi a mais correta, porque uma questão dessa natureza precisa refletir o sentimento de toda sociedade paraense”, enfatizou Simão Jatene.

O governador também conversou com o presidente do TRE sobre a importância de se criar uma ampla campanha de esclarecimento junto à população do Pará antes do plebiscito. Segundo ele o estado, em parceria com o TRE, está discutindo meios de promover campanhas institucionais com responsabilidade “para que este processo seja seja o menos traumático possível e que reflita efetivamente o sentimento da população”, disse o chefe do Executivo Estadual.

Para o governador a campanha de esclarecimento precisa ter maturidade, equilíbrio e responsabilidade para que o plebiscito possa gerar um clima de fraternidade e respeito com a população. “Porque se esse processo for mal conduzido poderá trazer problemas. E mais que dividir territórios, poderá dividir o povo. A Europa está cheia de maus exemplos onde a questão étnica ainda hoje leva sofrimento a centenas de pessoas”.

Segurança – O envio de tropas federais para 16 cidades paraenses em dezembro, durante o plebiscito, foi outro assunto discutido entre o governador e o presidente do TRE. “Haverá esse reforço, mas não em todos os municípios, porque foi feito um estudo e comprovado que nas eleições passadas houve um gasto muito alto com essa questão. Iremos absorver um pouco mais e colocar a presença da tropa em 16 municípios”, finalizou o governador.

Fonte: ASCOM

3 comentários em “Governador reúne com presidente do TRE e fala sobre o plebiscito

  1. caio alves Responder


    NC:

    É meu caro Governador, nunca olharam, ou valorizaram, o interior do Pará. Agora, estão preocupado em perder a verba do minério de ferro, hein!
    Somos um povo carente de tudo, estrada, saúde, educação etc. Enfim, as queixas são inúmeras!
    Claro que isso não ocorre só nos interiores, o país vive esse caos! Mas, com toa essa verba que a Vale gera, será que não era pra sermos melhor assistidos?
    O sudeste paraense sustenta a Capital desse Estado. E que capital, hein! Estive lá do dia 15 ao dia 18/08 e a bele époque já vai longe! A cidade é um lixão a céu aberto. Cadê o dinheiro?
    O Senhor tem que pensar, mesmo. Pode acordar como o primo pobre no dia seguinte ao plebiscito. É, Pode ser que a jóia da coroa esteja saindo das suas mãos!

  2. NC Responder

    É meu caro Governador, nunca olharam, ou valorizaram, o interior do Pará. Agora, estão preocupado em perder a verba do minério de ferro, hein!

    Somos um povo carente de tudo, estrada, saúde, educação etc. Enfim, as queixas são inúmeras!

    Claro que isso não ocorre só nos interiores, o país vive esse caos! Mas, com toa essa verba que a Vale gera, será que não era pra sermos melhor assistidos?

    O sudeste paraense sustenta a Capital desse Estado. E que capital, hein! Estive lá do dia 15 ao dia 18/08 e a bele époque já vai longe! A cidade é um lixão a céu aberto. Cadê o dinheiro?

    O Senhor tem que pensar, mesmo. Pode acordar como o primo pobre no dia seguinte ao plebiscito. É, Pode ser que a jóia da coroa esteja saindo das suas mãos!

  3. liberdade Responder

    Governador ta ai todo preocupado em perder boa parte da arrecadação do estado, se o gorvenador atual e antigos tivessem pensado no sul do pará talvez não se falaria em divisão, mas agora e tarde 77 neles bando de FP….

Deixe seu comentário