GMP prende em flagrante indivíduo acusado de furto de celular na Palmares I

Quando os guardas municipais revistaram o suspeito, encontraram dois celulares. A dona do aparelho provou que o telefone lhe pertencia ao digitar uma senha e desbloquear a tela
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Uma guarnição da Guarda Municipal de Parauapebas prendeu e conduziu à Delegacia de Polícia Civil Messias dos Santos da Silva, de 19 anos. Ele é acusado de, na companhia de um cúmplice, ter furtado, na noite de ontem, sábado (25), em uma festa na Vila Palmares I, o celular de Helena Rodrigues Moreira.

A guarnição, comandada pela guarda municipal Ednalva Melo Costa e composta ainda pelos GMs Jocélio e De Paula, foi abordada por dois grupos de pessoas que se queixaram de ter sido roubadas por dois indivíduos que estavam em uma motocicleta Honda Bros, preta.

Diante das denúncias, a guarnição saiu em buscas pela localidade e, não demorou muito, avistou dois homens em duas motos, um dos quais, ao perceber a presença da GM, fugiu em disparada. Enquanto o outro, Messias da Silva, parou atendendo à abordagem da guarnição. Na revista pessoal, foram encontrados no bolso dele dois celulares, um preto e um azul.

Helena Moreira, que acompanhava a guarnição, de imediato reconheceu seu aparelho, o de cor preta, e, para provar que este lhe pertencia mesmo, digitou uma senha e desbloqueou a tela do celular, ficando claro ali que Messias era quem havia furtado o telefone móvel.

Ouvido pela Reportagem, ele disse que viu o telefone no chão, mas nem sequer tocou no aparelho, argumentou que o celular dele era bem superior ao de Helena, por isso nem teria interesse em tê-lo, afirmando ainda que o celular dela estava até com a tela trincada.

Indagado pelo repórter sobre como, então, o celular da mulher foi parar no bolso dele, Messias dos Santos da Silva, que disse ser trabalhador de carteira assinada, não soube explicar e chegou a insinuar que o aparelho pode ser sido “plantado” no bolso dele.

(Caetano Silva)