Feriado não impediu aprovação de importantes matérias no Congresso

Destaque para a aprovação de projeto que reconhece as aulas presenciais como atividade essencial
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Sessão na Câmara dos Deputados

Continua depois da publicidade

Brasília – Em dois dias de sessões semipresenciais, deputados e senadores avançaram na pauta de votações, aprovando importantes projetos numa semana prejudicada pelo feriado nacional em plena quarta-feira.

Na sessão desta terça-feira (20), os deputados aprovaram um projeto cujo tema, considerado polêmico, é fonte de discórdia e disputa de partidos da situação e oposição ao governo.

Trata-se do Projeto de Lei 5595/2020, que proíbe restrições a aulas presenciais em escolas, universidades e faculdades durante a pandemia do novo coronavírus. Mesmo com a tentativa de obstrução e críticas de deputados ligados à área da Educação, e manifestações contrárias de sindicatos, foram 276 votos a 164 pela volta das aulas presenciais. O texto ainda precisa ser votado pelo Senado.

O projeto reconhece a educação básica e superior, em formato presencial, como “serviço essencial”, colocando as aulas no mesmo patamar destinado a supermercados e farmácias. O projeto determina, ainda, que sejam definidos princípios e diretrizes para o retorno das aulas, como o estabelecimento de critérios epidemiológicos, alternância de horário de turmas e a adoção de sistema híbrido para algumas atividades.

Para a deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF), uma das autoras do projeto, essas alterações, feitas a pedido de vários partidos, garantem a volta segura às aulas. Segundo ela, tornar a educação um serviço essencial protege as crianças.

“Nós estamos falando aqui de essencialidade da Educação. Nós estamos colocando a Educação onde ela merece. Trazer essencialidade para todas as nossas crianças e adolescentes. Esse projeto significa salvar vidas. E quem ainda não leu o projeto, quem não leu o substitutivo, leia. Porque tudo que foi falado aqui foi colocado a pedido dos senhores”.

Outro projeto em tramitação (PL 2949/2020) cria estratégias para a volta às aulas, mas estabelece como parâmetros recomendações da Organização Mundial da Saúde.

Fim do monopólio dos Correios e Lei de Segurança Nacional

Outro destaque da semana foi a aprovação da urgência para dois projetos que provocaram muita discussão e debate entre os deputados. Um deles (PL 591/2021), de autoria do Poder Executivo, quebra o monopólio dos Correios sobre os serviços postais e foi apontado pela oposição como o primeiro passo para uma futura privatização da empresa.

Na semana passada, o governo incluiu os Correios no Plano Nacional de Desestatização, o que permite a realização de estudos para uma eventual privatização ou abertura de capital para a iniciativa privada.

Mas o relator do projeto, deputado Gil Cutrim (Republicanos-MA), negou que o projeto trate da privatização da empresa. Ele explicou que o objetivo da proposta é aumentar a eficiência dos serviços postais e ao mesmo tempo diminuir os gastos públicos.

O outro projeto (PL 6764/2002), também enviado ao Congresso pelo Poder Executivo, revoga a Lei de Segurança Nacional e no seu lugar define crimes contra o Estado Democrático de Direito, como atentados, sequestros de autoridades, tentativas de golpe de Estado, atentado à soberania, entre outros.

A proposta divide o Plenário. Parte da oposição defende a revogação de uma lei identificada com a ditadura, mas teme que a nova proposta restrinja protestos e até movimentos grevistas. A base governista também vê a proposta com preocupação, como disse o deputado Vitor Hugo (PSL-GO), que recomendou voto contra a urgência, mesmo reconhecendo o diálogo com a relatora.

“Absorveu algumas preocupações que nós tínhamos, especialmente em relação à proteção das Forças Armadas e também da proteção do território e da soberania nacional. Por outro lado, ainda não avançou em várias daquelas que entendíamos e continuamos entendendo como muito relevantes. E também incorporou sugestões de outros partidos, que nós imaginamos que sejam da oposição. Então, nesse sentido, nós não vemos por que votar a urgência neste momento”.

Duas semanas atrás, a deputada Margarete Coelho, em um debate na internet, disse que iria sugerir inovações não previstas na proposta original, como a criminalização do disparo em massa e o financiamento de notícias falsas com o objetivo de interferir no resultado de eleições.

A urgência acabou sendo aprovada por 386 votos a 57. Para o deputado Bira do Pindaré (PSB-MA), a Lei de Segurança Nacional precisa ser revogada.

“É mais do que na hora de a gente mudar essa legislação em relação à Lei de Segurança Nacional. Entendemos que ela tem sido usada de maneira indevida em nosso país, de maneira autoritária. É um entulho da ditadura militar e nós temos que remover isso. E por essa razão nós entendemos que a urgência é necessária”.

O Plenário também aprovou a urgência para o Projeto de Lei 468/2019, do deputado Dr. Luiz Antonio Teixeira Jr (PP-RJ), que institui o Cartão Nacional de Vacinação On-Line, uma maneira de universalizar e modernizar o acesso dos pacientes às unidades do Sistema Único de Saúde (SUS) em todo o país.

Este projeto foi aprovado de maneira simbólica, sem votos contrários.

Com a aprovação do regime de urgência, as três propostas podem ser votadas a qualquer momento no Plenário, sem passar pelas comissões da Câmara.

Prorrogação de prazos da Lei Aldir Blanc

A Câmara também aprovou, na terça-feira, o Projeto de Lei 795/2021, que estende a prorrogação do auxílio emergencial a trabalhadores da cultura e prorroga o prazo de utilização de recursos da Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020) por estados e municípios. A proposta era aguardada com muita expectativa por produtores culturais e artistas de todo o país.

O projeto, já aprovado no Plenário, estabelece que as medidas valerão enquanto permanecerem os efeitos econômicos e sociais da pandemia de Covid-19. Também permite o uso dos recursos não utilizados até o final do ano passado, quando expirava o prazo original da lei – um valor estimado em R$ 800 milhões.

O relator do projeto na Câmara, deputado Danilo Cabral (PSB-PE), manteve o texto do Senado, o que permite que a proposta vá direto para sanção presidencial. O relatório foi lido em Plenário pelo deputado Tadeu Alencar (PSB-PE).

“Esse projeto do Senado, portanto, não institui nenhum centavo de dinheiro novo. É apenas a possibilidade que em torno de quase 800 milhões de reais, que não houve tempo de ser gasto por estados e municípios, inclusive porque vivemos ali também o período eleitoral e entraram novos gestores que sequer tiveram a oportunidade de fazer rodar essa cadeia produtiva nos seus municípios”.

Além de beneficiar artistas e agentes culturais, o texto estende o prazo para que estados e municípios possam programar e aplicar os recursos destinados à Cultura. Segundo o projeto, o prazo para aplicação de recursos, que antes era de um ano, seria ampliado para dois anos.

Sessão do Senado Federal

Senadores aprovam regime especial para regularização de patrimônio junto à Receita

O Plenário do Senado aprovou o projeto de lei (PL 458/2021) que cria o Regime Especial de Atualização e Regularização Patrimonial (Rearp). O Rearp permite a atualização do valor de bens móveis e imóveis e a regularização de bens ou direitos que não tenham sido declarados ou declarados incorretamente junto à Receita Federal. O texto vai à Câmara dos Deputados.

Congresso Nacional começa a analisar projeto da LDO para 2022

O Orçamento de 2021 ainda não foi sequer sancionado, o que deve ocorrer na próxima quinta-feira (22), entretanto, o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2022 (PLN 3/2021) – LDO de 2022 – começou a ser analisado por deputados e senadores. A norma anual traz as estimativas macroeconômicas e regras sobre emendas dos parlamentares.

O governo federal já planeja suas contas para o próximo ano. Além de apontar os gastos mais importantes para 2022 e as regras para a elaboração do Orçamento, o PLN 3/2021 traz uma série de projeções do governo para o ano que vem, para itens como salário mínimo (R$ 1.147); inflação (3,5%); crescimento do PIB (2,5%); e previsão de rombo nas contas públicas de mais de R$ 170 bilhões. Encaminhado ao Congresso Nacional no dia 15, o projeto precisa ser votado – e eventualmente alterado – por senadores e deputados federais até o dia 17 de julho.

Por Val-André Mutran – de Brasília
Publicidade