Exportações: com baixa de 23%, Parauapebas tem pior maio desde 2015

Situação em Canaã dos Carajás é três vezes pior, já que produção de minério de ferro tombou 68% e tirou município do “top 10” de exportadores. Marabá teve seu 2º melhor maio da história.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

As estruturas da mineradora multinacional Vale na Serra Norte de Carajás foram abaladas pelo novo coronavírus, que derrubou em 23% as exportações de Parauapebas em maio deste ano ante o mesmo período do ano passado. É uma queda vertiginosa na produção e que causou, direta e indiretamente, uma outra pandemia do outro lado do oceano, na China: a do aumento invisível e rápido do preço do minério de ferro.

É que, com a sensação de menos minério sendo embarcado por Carajás, região que mais produz commodity de elevada pureza no mundo, o mercado financeiro entendeu que haverá no curto prazo pouca oferta do produto que sustenta a faminta indústria chinesa de aço. Com menos oferta e alta demanda, o preço valoriza e sobe. E, por isso, em maio a tonelada do minério de ferro voltou a passar de 100 dólares, preço que, no médio prazo, segundo analistas, não se sustenta, à medida que a pandemia de Covid-19 se estabilizar e a produção for retomada com força total.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que observou ser o mês passado um dos mais difíceis para a produção de ferro em Carajás. Uma queda tão robusta assim Parauapebas só havia experimentado em maio de 2015. O mês passado rendeu na capital do minério 432,1 milhões de dólares em ferro, 100 milhões a menos que em maio de 2019, quando foram exportados do município 532,8 milhões.

Mas Parauapebas não está sozinho. Situação muito pior foi a vivida por Canaã dos Carajás. Em maio passado, o município transacionou 171 milhões de dólares em minério de ferro, 68% a menos que os 538,7 milhões de 2019 e quando, aliás, de forma inédita, Parauapebas fora superado na produção da commodity.

Além disso, Canaã deixou pela primeira vez desde 2017 o pelotão seleto dos dez maiores exportadores do Brasil, tendo sucumbido à pandemia e se organizado na 11ª colocação nacional, enquanto Parauapebas ficou em 4º — não porque exportou muito, mas porque todos os gigantes da exportação também despencaram. Canaã fechou maio imediatamente atrás do paraense Barcarena, que somou 209,2 milhões de dólares exportados, o melhor desempenho do município que transforma alumínio desde 2011.

Por seu turno, o maior produtor e exportador de cobre do país melhorou em relação a 2019. Com uma cesta de commodities diversificada, Marabá fechou o mês passado na 22ª colocação e com 137,9 milhões de dólares exportados, 43% a mais que os 96,3 milhões de dólares de 2019. Atropelando a pandemia, esse foi o segundo melhor maio da história de Marabá, só superado por 2018, quando as exportações totalizaram 155,1 milhões em maio daquele ano. Entre perdas e ganhos, cada município viveu o maio pandêmico de seu jeito.

Publicidade