Exclusivo: Laudo descarta morte de criança de Parauapebas por Febre Maculosa. As investigações sobre as causas continuam.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O rumoroso caso da pequena parauapebense  Sophia Lopes de Almeida, de dois anos de idade, que morreu com suspeita de febre maculosa em 9 de maio deste passado, em  Belém, teve mais um episódio esta semana.

Segundo informações obtidas com exclusividade pelo blog junto à Vigilância em Saúde da Sespa (Secretaria de Estado de Saúde) o caso foi considerado descartado para febre maculosa, visto que o exame específico realizado deu negativo.

No exame, que já está no Gal – Gerenciamento de Análises Laboratoriais – da Sespa – feito por laboratório de referência nacional localizado em Belém, foi utilizado método de biologia molecular e foram investigadas várias doenças, entre elas leptospirose e meningite, e todas deram negativas, incluindo a prova biológica para febre maculosa.

Exame Sophia BH

Relembre o caso

Sophia Lopes de Almeida deu entrada no HGP em 28 de abril com febre elevada, cefaleia e mialgia intensa. Segundo os familiares, a criança foi vítima de uma picada de carrapato em sua residência, no bairro Cidade Jardim, em Parauapebas. “A mãe dela encontrou o carrapato grudado ao corpo e fez a retirada do bicho. Logo depois fez a assepsia com álcool”, disse ao Blog Sinara Albuquerque, tia e madrinha de Sophia.

Pouco depois a criança deu início aos sintomas, sendo levada a uma clínica em Parauapebas, onde, segundo a tia, foi diagnosticada como se estivesse com a garganta inflamada pelo médico que a atendeu. Como os medicamentos ministrados pelo médico não estavam fazendo efeito e os sintomas ficaram mais fortes, Sophia foi encaminhada para Belém por via aérea com suspeita de meningite.

Porém, ao chegar no Hospital Mamaray, o diagnóstico foi de a criança havia contraído Febre Maculosa Brasileira, uma doença infecciosa, febril aguda, de gravidade variável, cuja apresentação clínica pode variar desde as formas leves e atípicas até formas graves, com elevada taxa de letalidade, causada por uma bactéria do gênero Rickettsia (Rickettsia rickettsii), transmitida por carrapatos.

A Vigilância em Saúde da Sespa informa que segue trabalhando na investigação do caso, já que foram descartadas as hipóteses iniciais.

O resultado de outro exame, feito por laboratório de Belo Horizonte está sendo aguardado, mas deve confirmar o resultado de Belém.