Emenda do senador Zequinha Marinho amplia rede pagadora de auxílio à trabalhadores informais

Lotéricas, cooperativas de crédito, bancos privados – poderão auxiliar a operacionalização do pagamento de maneira que o valor emergencial cumpra sua finalidade de mitigar os efeitos da pandemia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Comissão Senado do Futuro (CSF) realiza audiência pública interativa para debater como a administração pública poderá utilizar-se da inteligência artificial em suas ações de políticas públicas, em especial, nas atividades desenvolvidas no Senado Federal.rrÀ mesa, em pronunciamento, vice-presidente da CSF, senador Zequinha Marinho (PSC-PA).rrFoto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Continua depois da publicidade

Brasília – Emenda incorporada ao texto do Projeto de Lei 873/2020, apresentada pelo senador Zequinha Marinho (PSC-PA), será analisada nesta terça-feira (30) pelo Plenário virtual do Senado Federal. O senador paraense quer garantir que todas as regiões do país sejam atendidas pela medida, ampliando a logística de pagamentos para além de municípios que só tenham instituições financeiras públicas federais.

No texto da emenda, o líder do PSC no Senado propõe que auxílio seja operacionalizado e pago por bancos privados nas localidades que não contam com bancos públicos, ampliando o acesso dos beneficiários do programa. Se aprovado, o PL deve ser sancionado na quarta-feira (1) pelo Presidente da República Jair Bolsonaro. A matéria foi aprovada pela Câmara dos Deputados na semana passada.

Ontem, os senadores aprovaram o PL 1066/2020 que criou o auxílio emergencial de R$ 600, a ser concedido aos trabalhadores informais de baixa renda durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Zequinha Marinho destacou que: “É importante lembrarmos que nem todo município brasileiro é atendido por agências financeiras federais. Manter o pagamento à rede pública federal tornará sem efeito a concessão do benefício”.

“Outros tipos de agentes financeiros – como lotéricas, cooperativas de crédito, bancos privados – poderão auxiliar a operacionalização do pagamento de maneira que o valor emergencial cumpra sua finalidade de mitigar os efeitos da pandemia”. A inclusão da emenda no texto projeto, caso aprovada, permitirá que seja substancialmente ampliada a rede de acesso de milhares de brasileiros ao novo benefício.

Hoje, os senadores votarão o projeto de lei PL 873/2020 que institui a Renda Básica de Cidadania Emergencial e amplia os benefícios aos inscritos no Programa Bolsa Família e aos cadastrados no CadÚnico, em casos de epidemias e pandemias.

O auxílio emergencial será destinado a cidadãos maiores de idade, sem emprego formal, mas que estão na condição de trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI) ou contribuintes da Previdência Social. Também é necessário ter renda familiar mensal inferior a meio salário mínimo per capita ou três salários mínimos no total, além de não ser beneficiário de outros programas sociais ou do seguro-desemprego.

A concessão do auxílio ficará limitada a dois membros de cada família beneficiada, de modo que cada grupo familiar poderá receber até R$ 1.200. Após a sanção presidencial, o Governo Federal detalhará as regras que vão operacionalizar o benefício.

Por Val-André Mutran

Publicidade