Em ritmo de canteiro de obras, Parauapebas vai ampliar estação de tratamento de água

Cidade respira obras em saneamento, com projetos de intervenção na infraestrutura urbana e nas ETA e ETE, estas últimas com investimentos previstos em R$ 45 milhões e 800 empregos.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

“Por estes dias, nós vamos ser obrigados a importar mão de obra.” Essa polêmica frase poderia ser considerada um blefe ou uma fala exagerada do prefeito Darci Lermen, pronunciada ontem (25) durante a inauguração de uma escola de educação infantil, não fosse o Blog do Zé Dudu contabilizar e divulgar, rotineiramente, um grande volume de licitações na área de infraestrutura e saneamento básico, com números retumbantes de postos de trabalho a serem criados.

Nesta quarta-feira (26), o Blog esmiuçou mais um calhamaço de megalicitação que está vindo por aí e que reforça a afirmação do gestor de Parauapebas. Trata-se do serviço de ampliação e melhoria da Estação de Tratamento de Água (ETA) 2, com captação de água bruta, uma obra integrante do pacote do Programa de Saneamento Ambiental de Parauapebas (Prosap).

A ampliação da ETA, não é demais observar, é diferente daquela que o Blog anunciou na semana passada (relembre aqui), a qual diz respeito à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Bairro Tropical para atender a uma parte da cidade onde atualmente moram 75 mil habitantes. A concorrência para o tratamento de água, prevista para ter propostas comerciais conferidas no dia 21 de junho, tem R$ 26,05 milhões para investimentos e potencial de gerar até 500 postos de trabalho. Já os investimentos no tratamento de esgoto são estimados em R$ 19,32 milhões e podem mobilizar diretamente 300 trabalhadores. E vem muito mais frente de trabalho por aí.

O que será feito na ETA 2

Para a consolidação do Prosap, no tocante ao abastecimento de água, foram avaliadas as condições atuais dos sistemas existentes e foram, também, propostas ampliações, melhorias ou novas unidades que visam reforçar o atendimento à população, começando pela captação, passando pelo tratamento, sistema adutor, reservação e rede distribuição.

O projeto do sistema de abastecimento de água foi dividido em partes. Uma delas, o Macrossistema, engloba captação, tratamento, adutora de água tratada, booster (para interligação e ampliação da vazão no sistema existente), reservatório e subadutora.

A parte correspondente à Zona 1 vai englobar os sistemas de abastecimento dos bairros Tropical 1 e 2, Ipiranga, Vale do Sol, Jardim Ipê e Novo Tempo, com enfoque na parte de reservação e rede distribuição de cada subsistema dessa zona. Já a Zona 2 corresponde aos sistemas de abastecimento dos bairros Casas Populares 2, Polo Moveleiro, Minérios e Vila Nova, com enfoque na parte de reservação e rede distribuição de cada subsistema inserido nessa zona.

Com as obras na Estação de Tratamento de Água 2, o atendimento com abastecimento de água potável será ampliado e otimizado. Cerca de 90 mil habitantes serão imediatamente alcançados e parte do atual problema de falta d’água em alguns bairros, em decorrência de problemas físicos na distribuição, será solucionada, além de elevar a eficiência na distribuição, reduzindo custos com perdas de água no sistema.

Publicidade