Em Belo Monte, violência marca assembleia dos trabalhadores. Cerca de 30 pessoas sequestraram caminhões e saquearam lojas

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Em meio a negociações do acordo coletivo dos trabalhadores de Belo Monte, houve tumulto em uma das frentes de obras da usina. Segundo o Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM), empresa contratada para executar as obras da usina, as assembleias realizadas em duas frentes (Sitios Belo Monte e Canais e Diques) transcorreram normalmente. Mas, de acordo com a companhia, no Sítio Pimental, a 70 quilômetros de Altamira, cerca de 30 pessoas impediram a realização da reunião, bloqueando a saída de funcionários, sequestrando caminhões, destruindo instalações e bens, como computadores. A empresa também informou que farmácia e lanchonete foram depredadas e saqueadas. O CCBM formalizou registro dos atos nos órgãos de segurança do Pará e prosseguirá com as negociações com o sindicato.

Segundo a Conlutas – Central Sindical e Popular, trabalhadores se revoltaram e atearam fogo em alojamentos, galpões e departamentos administrativos, após discordância com a proposta de aumento salarial do CCBM, de reajuste de 11%. O sindicato da categoria, que apoiou a proposta, chegou a ser expulso do canteiro, disse a entidade. Para a Conlutas, nos dias que antecederam o incidente, o clima era de muita incerteza e apreensão por parte dos operários.

O Consórcio Belo Monte informou que a confusão no canteiro não vai prejudicar a continuidade das obras. Os caminhões com os operários chegarão de Altamira normalmente hoje, assegurou.

Fonte: O Globo

Publicidade

Posts relacionados