Em 65 municípios paraenses, extremamente pobres são maioria da população

Situação é tão crítica que cria até mesmo bizarrices: em Senador José Porfírio, teoricamente há mais pessoas na pindaíba que total de moradores das estimativas oficiais do IBGE.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um exército de 3 milhões e 45 mil paraenses vivem, em algum lugar deste imenso estado, praticamente sem eira nem beira, à margem do desenvolvimento. Ás vésperas de receber o recenseamento geral da população, o Pará estagnou quando o assunto é progresso social. O batalhão de paraenses considerados extremamente pobres, com registro no Cadastro Único do Governo Federal, é suficiente para montar praticamente dois estados do Tocantins, cuja população se aproxima de 1,573 milhão de habitantes, conforme a mais recente estimativa divulgada no final do mês passado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Blog do Zé Dudu se debruçou neste sábado (14) sobre os registros administrativos do Cadastro Único, guardados pelo Ministério da Cidadania, e confrontou a pobreza no Pará e seus municípios com os números populacionais do IBGE para desvendar o tamanho do “sequestro” da pobreza no estado. Os números são vexatórios e sinalizam que, se nada for feito, o Pará se tornará em poucos anos a Unidade da Federação mais pobre do país, consolidando com troféu o atraso que lhe persegue.

Atualmente, 35,4% dos 8,603 milhões de paraenses são extremamente pobres porque sobrevivem com, em média, menos da metade da metade de meio salário mínimo. Ou seja, a renda teórica média é de R$ 125 mensais. Uma cesta básica no Pará, com valor de referência a partir de Belém, custava R$ 394 em agosto, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese).

Além disso, a pobreza prosperou no Pará de forma tal que hoje 65 municípios (45% dos 144) já têm mais de 50% de sua população vivendo na miséria, conforme levantou o Blog (veja a tabela com os números oficiais).

Município com mais pobres que gente

Em Senador José Porfírio, ninguém sabe quem tem mais culpa no cartório: se o IBGE, que teria estimado a população local bem abaixo da realidade; ou se o Ministério da Cidadania, que teria computado pobres além da conta. O fato é que os números oficiais desses órgãos não batem. A situação é tão grave que, matematicamente, Senador José Porfírio teria, hoje, mais pessoas extremamente pobres que a população oficial.

Nas estatísticas locais do Cadastro Único estavam, até o final de junho deste ano, 12.249 moradores em situação de pobreza extrema. No dia 1º de julho, o IBGE estimou haver 11.658 habitantes. Proporcionalmente, 105% da população local estão na miséria. A conta não fecha.

Em situação tão dramática quanto estão Santarém Novo e Prainha, ambos no oeste paraense, onde a pobreza alcança, respectivamente, 97,5% e 95,4% dos moradores. Outro companheiro do oeste, Faro, aparece em quarto lugar, com 83,4% de seus habitantes considerados extremamente pobres. Com entre 70% e 80% de pobreza estão São Sebastião da Boa Vista (79,8%), Mocajuba (77,2%), Nova Esperança do Piriá (76,9%), Oeiras do Pará (76,1%), Anajás (75,7%), Gurupá (75%), Mojuí dos Campos (74,4%) e Afuá (71,2%). Diga-se de passagem, todos esses municípios — à exceção de Mojuí dos Campos, o último a ser criado no Pará — encontravam-se no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), de 2010, no final da fila, com baixa qualidade de vida. E a julgar pelos números atualizadíssimos de pobreza de 2019, nada vai mudar quando o censo sair a campo coletando dados que servirão para a nova rodada do IDHM a partir de 2020.

Sudeste do PA com menos desequilíbrio

Dos dez municípios paraenses onde a pobreza é menos agressiva, o sudeste do estado emplaca sete representantes e, inclusive, as primeiras colocações. Tucumã é o município com menor legião de pessoas extremamente pobres, já que apenas 5,8% de seus 39.602 habitantes encontram-se nessa condição nada desejável.

Em seguida está Parauapebas, com 10,9%. Apesar do segundo lugar nas estatísticas, se os números do Ministério da Cidadania estiverem corretos, Parauapebas pode ter apresentado uma evolução no seu processo de empobrecimento sem precedentes. É que o IBGE registrou oficialmente 13,2% de extremamente pobres em 1991; 14,25% em 2000; e 4,42% em 2010. Sair de 4,42% para 10,9% representa avanço da extrema pobreza de quase 150% em nível local.

Depois de Tucumã e Parauapebas, surgem Castanhal (13,1%), Marabá (13,6%), Conceição do Araguaia (14,4%), Novo Progresso (14,5%), Ananindeua (14,7%), Rio Maria (16,5%), Ulianópolis (17,7%) e Redenção (18,5%). No sudeste do estado, o município proporcionalmente mais pobre é Palestina do Pará, onde 66% dos 7.589 habitantes estão na miséria.

Belém, capital, tem 21,2% de seus atuais moradores cadastrados como extremamente pobres. Na prática, é um pelotão de 315 mil pessoas vivendo na pindaíba, o que daria para entupir (até sobrar) a cidade de Santarém, cuja população municipal é de aproximadamente 305 mil residentes. Confira os números de população e pobreza preparados pelo Blog do Zé Dudu!

Invalid URL for PDF Viewer
Publicidade