Elétricas cobram racionalidade no uso de postes

Falta um regulamento específico mais coeso da ocupação desses ativos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Elétricas querem regras mais coesas para o uso dos postes

Continua depois da publicidade

Brasília – Redes clandestinas, sujeira, irregularidades as mais diversas e reclamações permanentes de consumidores nos órgãos de proteção ao consumidor estão ao alcance do olhar de todos os brasileiros, basta levantar a cabeça e olhar o “caos” do emaranhado de fios e “gambiarras” nos postes das distribuidoras de energia elétrica, donas da maioria desses ativos, cujos usos são compartilhados por operadoras e provedores de banda larga para passagem de cabos.

O setor elétrico cobra mais racionalidade por parte do setor de telecomunicações nesse compartilhamento. Isso porque, na falta de um regulamento específico mais coeso, sobra para as distribuidoras o dever de fiscalizar a regularidade da ocupação desses ativos e arcar com os custos de limpeza em caso de irregularidades.

“É um grande problema que temos hoje: precisamos de um regramento mais forte. Temos dificuldade grande de fiscalizar, de manter o uso adequado. Sempre cuidamos tão bem dos postes, e agora que temos que conviver, não conseguimos regras adequadas. É muita gente, é muito cabo clandestino,” observou Maximiliano Andres Orfali, diretor geral da Copel Distribuição. Ele participou nesta semana do evento “5×5 TEC Summit”.

Para o executivo, a Aneel precisa desenvolver formas de incentivar as distribuidoras a criar estruturas para gerir o compartilhamento dos postes com as operadoras de telecomunicações e a fiscalizar a passagem dos cabos de rede de forma correta.

Monopólio e irracionalidade

Caius Vinicius Malagoli, diretor de engenharia de manutenção e padrões do grupo CPFL Energia, considera irracional o que está havendo hoje no setor de telecomunicações. “A concorrência aberta em telecomunicação incentivou a irracionalidade da ocupação dos postes e a forma como essa infraestrutura é montada. A gente vê os postes com fio para todos os lados, e às vezes cabe à distribuidora fiscalizar e organizar, o que, pra mim, não é parte do nosso negócio,” reclamou.

Segundo Malagoli, a questão é urgente também por conta do 5G, que deve levar as operadoras a pedir espaço nos postes para a instalação de pequenas antenas celulares. “Talvez fosse o caso de haver uma licitação para escolher quem vai explorar essa infraestrutura em caráter de monopólio, porque o resto seria prestação de serviço – são dados que fluem. E acabaria com essa festa que coloca em risco inclusive o poste, que tem limite de altura. Passa um caminhão e leva tudo, e quem é acionado? A distribuidora de energia elétrica. Esse modelo precisa ser repensado urgentemente, senão vamos chegar a um ponto em que será insolúvel,” vaticinou.

Negociação

Muitos clandestinos do setor de telecomunicações reclamam que passam os cabos à revelia das distribuidoras porque estas, ou demoram muito para aprovar os projetos técnicos, ou cobram preços muito altos que inviabilizariam seus negócios.

O superintendente de smart grids na Neoenergia, Heron Fontana, discorda. “Tem mecanismos e formas de ajustar os preços justos para uso dos postes. Se o 5G vai entrar, se vai usar os postes, então que os operadores que se beneficiam daquela infraestrutura que suportem esse custo, e não os consumidores da energia elétrica. O custo deve ser compartilhado, passado e transferido realmente para os usuários daquele serviço,” avaliou.

O evento

O “5×5 TecSummit 2020” é organizado por sites de jornalismo especializados em TI e telecom, com a proposta de debater a modernização de cinco setores essenciais para a economia brasileira. O evento aconteceu nesta semana, diariamente, encerrando-se em 11 de dezembro. Na quinta-feira (10), a discussão foi sobre finanças. Na sexta-feira (11), último dia do evento, as apresentações foram sobre o impacto da tecnologia na indústria de entretenimento. As apresentações passadas, sobre os setores de governo, saúde e eletricidade já estão disponíveis.

Publicidade