Dia histórico: sai no DOU autorização para Enfermagem em Parauapebas pela Federal

Campus local deve iniciar turma pioneira em 2022. Para ingresso ao curso, é necessário fazer Enem. Ufra sonha em trazer mais novidade na área de saúde, mas depende de bloco de salas
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Agora é oficial: Parauapebas, o mais atrasado município brasileiro com mais de 200 mil habitantes no tocante à oferta de vagas de ensino superior público e gratuito, viu seu nome, enfim, registrado no Diário Oficial da União (DOU) por uma notícia excelente e que era ansiosamente aguardada há, pelo menos, dois anos: vai ganhar o curso de graduação em Enfermagem pela Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra).

A informação foi levantada com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu e pode ser conferida aqui. O Blog já havia antecipado em junho que o curso fora aprovado após inspeção do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mas faltava a cereja do bolo: a informação no Diário Oficial da União atestando a grande novidade.

Nesta sexta-feira (6), a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres), do Ministério da Educação (MEC), publicou a portaria de número 823, assinada ontem, contendo a autorização para que a Ufra abra 50 vagas em Parauapebas. Com a medida, o campus local, se quisesse, já poderia iniciar a turma inaugural de Enfermagem hoje mesmo.

De acordo com comunicado da instituição, após avaliação da equipe do Inep, o funcionamento do curso foi autorizado com conceito 4 (“Muito Bom”) pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), numa escala que vai até 5. “Este é primeiro curso na área de saúde humana de toda a Ufra. Se todo planejamento de vagas docentes ocorrer dentro do esperado, a previsão de entrada de alunos já é para 2022”, informa a instituição, que deve lançar edital de concurso para professores da área de saúde para atender Parauapebas.

Luta não acabou

Marcada por fortes emoções, a batalha para implantar Enfermagem pela Federal contou com a mobilização exaustiva do diretor local do campus, Luís Renan Sampaio, bem como da vereadora Eliene Soares, que fez nada menos que sete indicações solicitando apoio do Executivo quanto à questão. O secretário municipal de Educação, José Leal, também entrou na causa e contribuiu, mandando pessoalmente equipe fazer pequenos reparos na estrutura do prédio do campus a fim de que a questão não fosse um impeditivo para aprovação do curso.

Agora, uma nova etapa de desafios se inicia para a Universidade, que é a construção de um bloco de salas para garantir que Enfermagem não sofra descontinuidade lá na frente. Além disso, com mais blocos de sala, a Ufra pode sonhar com novas graduações na área de saúde, como Odontologia, Farmácia e Biomedicina.

Cálculos apontam que um investimento de R$ 5 milhões no campus resolveria o atual gargalo no déficit imediato de infraestrutura. Como a instituição é do governo federal, a Prefeitura de Parauapebas teria de formalizar convênio para bancar a construção com recursos próprios dentro da universidade. A iniciativa poderá potencializar o campus a trazer mais cursos gratuitos e de interesse dos jovens parauapebenses, bem como tirar a Capital do Minério do fim da fila das estatísticas de oferta de cursos de graduação.

Atualmente, somando-se todos os universitários de Parauapebas, inclusive de cursos a distância de faculdades particulares com sede noutros estados, o número não passa de 6 mil. Marabá tem mais que isso só em cursos públicos e seu exército de universitários total chega a 18 mil, o suficiente para entupir uma cidade e meia de Curionópolis apenas com estudantes de ensino superior.