Deputados aprovam desestatização da Eletrobras

Eletronorte receberá aporte para novos projetos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Hidrelétrica de Tucuruí, no Rio Tocantins, no estado do Pará, é a maior fonte de energia da Eletronorte, que completa 48 anos no dia 23 de junho

Continua depois da publicidade

Brasília – Os deputados aprovaram na noite de quarta-feira (19), o texto base da medida provisória (MP 1031/2021) que autoriza o início do processo de desestatização da gigante estatal de energia Eletrobras. O governo obteve ampla maioria dos votos. Encerrada a votação, o painel eletrônico registrou 305 a favor e 167 votos contra. A matéria segue para análise e votação do Senado.

O substitutivo aprovado, de autoria do relator Elmar Nascimento (DEM-BA), em comum acordo com a área técnica do Ministério das Minas e Energia, ao qual a Eletrobras está vinculada, elaborou um novo modelo de desestatização que prevê a emissão de novas ações da Eletrobras, a serem vendidas no mercado sem a participação da empresa, resultando na perda do controle acionário de voto mantido atualmente pela União.

Placar para aprovação da Medida Provisória foi amplamente favorável ao governo

Embora na prática a União perca o controle acionário da empresa, continuará a deter as ações de classe especial (golden share) que lhe garante poder de veto em decisões da assembleia de acionistas a fim de evitar que algum deles ou um grupo de vários acionistas detenham mais de 10% do capital votante da “nova” Eletrobras.

De acordo com o texto do relator, esse tipo de mecanismo poderá ser usado para a desestatização de outras empresas públicas listadas no programa de desestatização desenhado pelo Ministério da Economia.

Oposição tentou obstruir a matéria. Derrotada, a MP foi aprovada e segue para o Senado

A oposição tentou obstruir os trabalhos, mas, como o quórum estava alto, não conseguiu travar a votação da matéria.

Eletronorte

Criada em 20 de junho de 1973, a Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A (Eletronorte) é uma das subsidiárias da Eletrobras — concessionária de serviço público de energia elétrica, com sede no Distrito Federal, tem unidades nos nove estados da Amazônia Legal: Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins.

A Eletronorte completa esse ano, 48 anos de operação na Amazônia Legal.

Com a desestatização, receberá aporte de R$ 295 milhões anuais que servirão especificamente para projetos de geração de energia na região, projetos de energia renovável ou a partir de combustível renovável, para as interligações de localidades isoladas e remotas na região Norte e para a navegabilidade do rio Madeira.

A Eletronorte conta com quatro hidrelétricas: Tucuruí (PA), Coaracy Nunes (AP), Samuel (RO) e Curuá-Uma (PA), além de parques termelétricos em Rondônia, Acre, Roraima e Amapá. A capacidade de geração instalada é de mais de 9 mil megawatts, opera mais de 11 mil quilômetros de linhas de transmissão e 57 subestações, levando energia elétrica a todo o Brasil.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Publicidade