Deputada Joice Hasselmann se complica após conclusões de inquérito da Polícia Civil do DF

A deputada federal alega que foi vítima de atentado de adversários políticos
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
A deputada Joice Hasselmann pode perder o mandato por falsa comunicação de crime

Continua depois da publicidade

Brasília – A deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP) pode perder o mandato por denunciação caluniosa. A Polícia Civil do Distrito Federal divulgou as conclusões do caso e segundo as investigações, possivelmente Joice “caiu” em decorrência de efeitos de remédio para dormir. A parlamentar defende a tese que na madrugada de 18 de julho, quando acordou com marcas de sangue no chão do apartamento onde mora, na capital, mas não lembrava o que ocorreu, teria sido vítima de adversários que querem apaga-la devido disputas políticas.

A investigação, conduzida pela 2ª Delegacia de Polícia, da Asa Norte, informou ainda que não há elementos que apontem prática de violência doméstica, atentado ou agressão por parte de terceiros.

De acordo com a corporação, o inquérito foi encaminhado ao Judiciário e ao Ministério Público.

A parlamentar utiliza o episódio para incriminar adversários políticos sem que haja qualquer prova, o que configura quebra de decoro parlamentar.

Ela pode se complicar no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara dos Deputados caso não consiga provar quem supostamente a espancou.

Em sua centenária história a Câmara dos Deputados jamais se viu as voltas com tamanha bizarrice. Na mesma legislatura, duas deputadas sob suspeita da prática de graves crimes. Geralmente esse papel era exclusivo dos homens.

Na quarta-feira (11), sessão do Plenário na Câmara, aprovou a cassação da então deputada federal Flordelis, expulsa do PSD após a suspeita de ter sido a autora intelectual do bárbaro crime, utilizando parentes (dois filhos estão presos) e colaboração de policiais militares para assassinar o próprio marido, pastor, como ela, com 30 tiros na garagem da casa em que viviam, em Niterói (RJ).

Por 437 votos a favor e 7 contrários o Plenário cassou seu mandato e ontem ela foi presa preventivamente para aguardar julgamento pelo Tribunal do Júri, com data a ser marcada, a pedido do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.