Delegação de estudantes de Parauapebas apresenta reivindicações à SEDUC e à UEPA

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Na última sexta-feira (16/04), uma delegação de estudantes de Parauapebas, resultante da mobilização que vem sendo conduzida desde fins de março e que culminou com o fechamento da Portaria de FLONA, que dá acesso à Mina de Carajás, na tarde do dia 09 de abril, esteve em Belém, capital do Estado, onde foi recebida pela Reitoria da UEPA e pela Secretaria de Estado de Educação, Socorro Gallo.

A delegação partiu de Parauapebas na tarde da quinta-feira (15/04), com apoio da Prefeitura Municipal de Parauapebas, que cedeu transporte e estadia, aos seus membros, e chegou a Belém na madrugada do dia 16/04. Sem descanso, imediatamente, seguiu para a sede da Reitoria da UEPA para audiência com a reitoria, professora Marília, e todos os membros de seu quadro administrativo, na qual contou com a participação do Prefeito Municipal, Darci Lermen.

Na audiência, os estudantes parauapebenses apresentaram suas reivindicações: 1) construção de campus universitário da UEPA em Parauapebas; 2) imediata apresentação de propostas para implantação de cursos superiores em nossa cidade (passo fundamental para posterior instalação do campus); e 3) realização da prova do Vestibular 2011 em nossa cidade.

Depois da apresentação das reivindicações, a reitora respondeu aos questionamentos feitos pelos estudantes de Parauapebas, ressaltando os limites orçamentários da UEPA. De imediato, ela ressaltou que é projeto da dita instituição a ampliação de sua atuação pelo Estado e que via com bons olhos a reivindicação de Parauapebas.

Entretanto, ela frisou que a instituição tem limitações orçamentárias e que é preciso pressionar aos parlamentares estaduais para que se aumente as verbas da universidade, não apenas para que se possa garantir a construção do sonhado campus, mas, também para que se tenha meios para sua manutenção, bem como para a contratação de professores e funcionários que assegurem seu pleno funcionamento. Segundo a reitora, é necessário um “pacto pela UEPA”, que envolva estudantes (e não apenas de Parauapebas), políticos, empresários, professores e todos os segmentos que buscam melhoria para a educação no Estado.

Quanto às demais reivindicações, a reitora se comprometeu, juntamente com o prefeito Darci Lermen, que acompanhou os estudantes durante a audiência, a criar uma comissão para a realização de estudos de campo a fim de verificar a possibilidade de oferecer pelos menos dois cursos da UEPA, ainda este ano, em Parauapebas, em parceria com a Prefeitura Municipal; como também anunciou o pedido para a realização das provas do Vestibular 2011 da UEPA será prontamente atendido.

A segunda parte da missão da delegação de estudantes de Parauapebas na capital do Estado foi na SEDUC (Secretaria de Estado de Educação), onde a mesma foi recebida pela Secretária de Estado Socorro Gallo, mais uma vez sob companhia do prefeito Darci Lermen.

Na audiência, os alunos apresentaram uma série de queixas e reivindicações para a melhoria da rede pública de educação em Parauapebas. Foi pedido a construção de mais escolas; e a Secretária de Educação se comprometeu a construir pelo menos uma, em parceria com a Prefeitura Municipal, para servir ao chamado Complexo Altamira, bem como uma outra na zona rural, em local ainda a ser definido. A confirmação oficial será anunciada na próxima terça-feira (20 de abril).

Os estudantes também exigiram a contratação imediata de professores para suprir a vacância em várias escolas de nossa cidade. A este pedido, a Secretária de Educação explicou que a falta de professores em Parauapebas se deve à falta de disponibilidade de professores e que a SEDUC se dispõe a contratar professores residentes na própria cidade e estes estiverem em condições curriculares para a efetivação dos contratos e o preenchimento das vagas.

Por fim, os estudantes da rede pública de ensino de Parauapebas apresentaram uma série outras reivindicações mais pontuais (questão de transporte; material escolar; bibliotecas; laboratórios; funcionários qualificados para seu aproveitamento; etc.) e denúncias contra diretores de nossas escolas públicas. Estas denúncias foram imediatamente encaminhadas para a Ouvidoria da SEDUC, com o devido comprometimento da titular de apurar as mesmas e encaminhar as providências cabíveis.

Entre as denúncias, a que mais impactou os representantes da SEDUC presentes a audiência foi a que dava conta que em algumas escolas os alunos estavam sendo pressionados a pagar pelas fotocópias das provas para poder fazer suas respectivas avaliações: em algumas escolas, professores são (ou eram) proprietários das copiadoras.

Outra queixa dos estudantes dizia respeito ao fato de que diretores estavam constrangendo líderes e participantes da mobilização pró-campus os ameaçando direta ou indiretamente, inclusive, em alguns casos, com punições disciplinares; assim como, os impedindo de divulgar seu movimento e convidar os demais colegas à participação

[ad code=3 align=center]

Publicidade