Decreto libera igrejas para 4,9 mi de católicos e 2,86 mi de evangélicos no Pará

Dados do IBGE revelam que, aqui no estado, 5% dos católicos e 1,75% dos evangélicos têm mais de 60 anos e, portanto, estão no grupo de risco para o coronavírus; confira mais números.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Um decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro torna as atividades religiosas parte da lista de atividades e serviços considerados essenciais em meio ao combate ao coronavírus e às críticas de que ele mesmo, o presidente, tem sido alvo de diversos setores da sociedade pela forma como tem lidado com a pandemia, inclusive contradizendo ações e recomendações do Ministério da Saúde.

Por serem consideradas essenciais, as atividades religiosas — isto é, as igrejas — podem abrir as portas e ficam autorizadas a funcionar mesmo com a restrição ou quarentena em razão do vírus. O governo esclarece, contudo, que o funcionamento deverá obedecer as determinações do Ministério da Saúde. A medida teria sido tomada a pedido de religiosos de diferentes igrejas. O Blog do Zé Dudu fez as contas com base nos dois últimos censos demográficos, de 2000 e 2010, e constatou que a medida pode alcançar 4,91 milhões de católicos e 2,86 milhões de evangélicos autodeclarados hoje no estado. Em meio a esses números, os idosos com mais de 60 anos — grupo de risco para o coronavírus — são aproximadamente 5% dos católicos praticantes e 1,75% dos evangélicos, segundo o IBGE.

A Igreja Católica, maior denominação religiosa do país, tem quase 5 milhões de fiéis, mas ainda não há consenso se, durante o período de quarentena, a instituição vai abrir suas portas no estado para missas presenciais. Nos municípios de Primavera (9,21%) e Nova Timboteua (9,01%) estão os maiores percentuais de idosos católicos que não perdem uma missa. Já em Parauapebas (1,23%) está, segundo o IBGE, a menor proporção do estado.

Entre as evangélicas, a Igreja Assembleia de Deus é, de longe, a mais populosa, com 1,27 milhões de membros e será beneficiada pelo decreto. Assim como os evangélicos da Quadrangular (345 mil), Adventista (190 mil), Universal (130 mil), Batista (119 mil) e Deus É Amor (87 mil), igrejas mais povoadas no Pará depois da Assembleia. Curionópolis (3,3%) e Rio Maria (2,89%) detêm as maiores participações de idosos em cultos evangélicos, enquanto em Gurupá a participação chega a apenas meio ponto percentual.

Os espíritas (41 mil) e as testemunhas de Jeová (38 mil) também são numerosos e poderão ter seus encontros liberados, conforme o decreto. Mas o número de idosos que frequentam as reuniões é pífio. Os templos religiosos, não é demais lembrar, têm imunidade tributária.

No Pará, por outro lado, os sem religião, ateus e agnósticos, descobertos pelo decreto presidencial, totalizam 677 mil. Em Eldorado do Carajás e Curionópolis, curiosamente, o número de idosos “descrentes” chega a quase 1%, taxa mais alta do estado. Todos os sem religião paraenses seriam suficientes para erguer três cidades do tamanho de Marabá, a quarta mais populosa do estado.

Publicidade