Curionópolis

Curionópolis: “Rei do Camarote” é o “príncipe” das diárias entre prefeitos do Pará em 2017 e 2018

Em algumas viagens, prefeito Adonei alega ter ido atrás de “educação”, mas a verdade é que ele derrubou Ideb dos anos finais do fundamental de Curionópolis. Isso a propaganda não mostra.

Agências de viagem ficam enlouquecidas com um cliente como o prefeito de Curionópolis, Adonei Aguiar. Por quê? O homem adora viajar e seu “programa de milhas” no Portal da Transparência, em 2017 e 2018, acumula 39 partidas “oficiais” que acumulam exatos 107 dias fora do município. As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que rastreou as variadíssimas diárias do festeiro gestor no Portal da Transparência.

Ele, Adonei, já pode até ganhar um troféu e óleo de peroba para lustrar sua coroa de príncipe do faturamento de diárias entre os 144 titulares de prefeituras do Pará. Tirando o seu vizinho, o prefeito de Parauapebas, Darci Lermen, ninguém mais rodou tanto por aí em apenas dois anos de governo. Ele é o segundo que passou mais tempo fora do município que governa, com justificativas mil — daí o merecimento do “prêmio”.

E só para constar: Adonei ganhou — por um dia de diferença — de Darci no ano passado. Enquanto em 2018 o prefeito de Parauapebas passou 58 dias fora, Adonei passou 59. Para se ter ideia do quão perambulou Brasil adentro, Adonei quase afundou a estrada entre Curionópolis e Belém, indo atrás do ex-governador Simão Jatene e seus subordinados entre 2017 e 2018.

Diárias de Adonei, pobreza em Curionópolis

O mosquitinho de asas das diárias picou Adonei com força a partir do dia 10 de fevereiro de 2017. Naquele ano, ele deixou Curionópolis à deriva por 48 dias e recebeu R$ 22,5 mil para tanto, um complemento daqueles ao salário de prefeito. Além disso, passou um de cada cinco dias úteis fora do município. Por todo esse tempo em que deixou a eterna terra do garimpo de Serra Pelada, o prefeito poderia ir a um terço do caminho a Marte pedir socorro aos marcianos para tentar salvar Curionópolis da situação de pobreza, onde quase 13 mil habitantes ou 71% da população sobrevivem com renda mensal inferior a meio salário mínimo, o que expõe o promissor município à condição de o mais empobrecido da região. Em dois anos de viagens, Adonei faturou mais de R$ 50 mil em diárias, quantia suficiente para tirar quase 100 pessoas da linha da pobreza no município que comanda, quando está.

O roteiro mais perseguido pelo governante foi, sem dúvidas, Belém, onde ele bateu recorde de fotos com políticos e politiqueiros da capital, quando Simão Jatene era governador. Em tantas idas e vindas, Adonei quase afundou a PA-150 com destino à capital. Agora, é aguardar para ver se o “príncipe das diárias” nestes dois anos vai ter os mesmos pique e entusiasmo para ir visitar o governador Helder Barbalho, para, como dizem as justificativas de suas diárias, “tratar de assuntos de interesse da administração municipal”.

Mas não foi só indo a Belém que Adonei gastou dinheiro público, embora lá tenha sido seu destino preferencial — o que pode ser conferido, inclusive, em diversas fotos nas quais ele aparece alardeando que está resolvendo a situação do projeto de minério de ferro da Vale, o Serra Leste, como se o empreendimento dependesse dele para existir.

Adonei viaja na educação e derruba Ideb

Em 2018, o “rodado” gestor passou de 21 a 25 de maio em Brasília, na Marcha dos Prefeitos, agitando e gastando seus R$ 3 mil recebidos em diárias. Adonei já havia ido a Brasília antes, em fevereiro, com R$ 1.800 para passar três dias, visitar o Ministério da Educação, e a mesma quantia recebeu um mês após, em março, para ir a Palmas (TO) visitar escolas de tempo integral. Ao longo de 2018, Adonei faturou R$ 29 mil em diárias e passou um de cada quatro dias úteis foram de Curionópolis.

No final do ano passado, alardeou pelos quatro cantos que a educação de Curionópolis está a mil maravilhas. No entanto, o prefeito andarilho se cala sobre as razões pelas quais derrubou o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) dos anos finais do ensino fundamental. Ele recebeu o Ideb de seu antecessor com nota 4,2 e, em vez de seguir crescendo, colapsou para 4. Fruto das ações com “marca” Adonei.

Segundo dados de 2018 do Ministério da Educação que podem ser consultados aqui <http://ideb.inep.gov.br/>, os alunos do 9º ano da rede municipal sabem, hoje, menos de matemática e de português que em 2015.

No entanto, as viagens que tomam bastante tempo do segundo gestor mais ausente da região certamente o impedem de ver que, como diz o populacho, “há alguma coisa errada que não está certa” no ensino fundamental de Curionópolis. Um dia o prefeito aprende que a educação não pode se servir apenas de carteiras novas, uniformes e kit escolar para fazer e ser a diferença de que crianças, adolescentes e jovens tanto necessitam.

Deixe seu comentário