CPI da Covid ouve “Veio da Havan”

Ele disse que vai falar tudo!
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Empresário Luciano Hang, o “Veio da Havan”, chega para depor na CPI

Continua depois da publicidade

Brasília – O “Veio da Havan”, será ouvido nesta quarta-feira (29), na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, em curso no Senado Federal. Os senadores Omar Aziz, Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues aprovaram o requerimento que convocou o empresário. Eles estão interessados em saber sobre a relação do empresário com o suposto “gabinete paralelo”, grupo de aconselhamento ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia da Covid-19, e no caso da Prevent Senior.

Em seu perfil na redes sociais, o empresário apareceu usando uma algema em referência à sua convocação à CPI

Hang não buscou junto ao Supremo Tribunal Federal, um habeas corpus para não falar fatos que pudessem comprometê-lo. Há alguns dias, em seu perfil na redes sociais, o empresário apareceu fazendo chacota quando soube da convocação e pousou com um algema presa no punho de um dos braços se referindo a possibilidade de “sair preso” durante seu depoimento à CPI.

O Twitter reteve a conta do perfil do empresário na terça-feira (28)

O Twitter reteve a conta dele até o momento que esta reportagem estava sendo apurada.

Aliado de Bolsonaro, o empresário, que assumiu a alcunha de “Veio da Havan”, dada por críticos, é suspeito de ter financiado a disseminação de fake news em blogs bolsonaristas e o grupo de consultores informais do presidente Jair Bolsonaro.

A Prevent Senior possui ligação com o “gabinete paralelo”, como revelou o Metrópoles, por meio do virologista Paolo Zanotto, que integrava o grupo e levava dados da empresa para o governo federal.

Outra situação que envolve Hang e a operadora de saúde é o caso da possível alteração na certidão de óbito da mãe dele, Regina Hang, supostamente a pedido do próprio empresário. A advogada Bruna Morato, que representa ex-médicos da Prevent Senior, confirmou, na terça-feira (28/9), em depoimento à CPI, que a mãe do empresário usou medicamentos sem comprovação de eficácia para a Covid-19 e teve a certidão de óbito alterada.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.