Corpo de topógrafo vítima de latrocínio no feriado encontrado em poço

O homem estava desaparecido desde a segunda-feira, dia 7. Ele foi assassinado e seu carro roubado
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Homens do 23º Grupamento Bombeiro Militar (GBM), de Parauapebas, retiraram na tarde desta quarta-feira (9), de um poço localizado na Rua Rio Tapajós, 513, no Bairro Casas Populares II,  o corpo do topógrafo Edivaldo Souza do Nascimento, que estava desaparecido desde o feriado da Independência, segunda-feira (7). O homem estava amordaçado, com pés e mãos atados e envolto em um cobertor. O suspeito do assassinato é um indivíduo que mora na casa em cujo quintal está o poço, cujos pais moram em Curionópolis e que não foi localizado.

Edivaldo morava no Bairro Alto Bonito e, por volta das 9h de segunda, saiu de casa dizendo para o filho William Nascimento que ia pagar uma conta no Bairro Cidade Nova. Ele estava no veículo de sua propriedade, um VW Gol, prata, placas NSL-3843.

Foi a última vez que William falou com o pai, que não retornou para casa, o que levou o filho a registrar Boletim de Ocorrência na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil, dando conta do desaparecimento.

De acordo com informações colhidas no decorrer das buscas feitas pela PM, que se iniciaram assim que o desaparecimento foi comunicado, Edivaldo do Nascimento foi visto em um balneário da Vila Palmares II por volta das 16h. Levantaram ainda, com um vizinho da casa em que o corpo foi encontrado, que, na noite de segunda-feira, o jovem usando boné, chegou em um automóvel Gol e com ele estavam duas jovens, que entraram para a casa. O homem relatou ainda que, por volta das 2h da madrugada de terça-feira (8), ouviu o carro saindo.

A polícia chegou à localização exata do local em que o corpo foi achado, por meio de um telefonema anônimo atendido pelo marido de uma sobrinha da vítima, em que uma mulher informou o endereço. Agora, a Polícia Civil investiga para identificar e prender o autor do latrocínio. O veículo roubado continua desaparecido.  

(Caetano Silva)

Publicidade