Confira os cargos que mais estão empregando em Parauapebas

Enquanto funções de repositor de mercadorias e servente de obras estão indo de vento em popa, profissões de auxiliar de conservação de vias e pedreiro enfrentam onda de demissões.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

No mês passado, houve movimentação profissional em ao menos 353 cargos do mercado de trabalho de Parauapebas. Exatas 200 funções mais contrataram que demitiram, de acordo com informações levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que mergulhou neste domingo (29) nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados na última quarta-feira (25) pelo Ministério da Economia. A ideia é mostrar ao leitor para onde estão caminhando os empregos com carteira assinada no município, que atualmente é um dos que mais empregam no país.

O Blog compilou os cargos com os maiores saldos (entre contratações e demissões) e a média inicial assinada na carteira, declarada pelas próprias empresas contratantes. Em agosto, o cargo que bombou foi o de repositor de mercadorias, que fechou com adição de 134 novos trabalhadores com salário médio de R$ 1.174,03. Apenas essa categoria de profissionais vai injetar durante um ano, em massa salarial, cerca de R$ 2,05 milhões na praça.

Os cargos de servente de obras (68 admissões), operador de caixa (63), mecânico de manutenção (62) e eletricista de manutenção (51) também adicionaram números expressivos, com dezenas de trabalhadores contratados via CLT. Entre as ocupações de ensino médio que mais tiveram motivos para comemorar, os melhores salários foram achados nas cadeiras de supervisor administrativo (17 novos empregados e R$ 2.874 de média) e técnico em segurança do trabalho (31 novos empregados e R$ 2.645). Motorista de ônibus urbano (R$ 2.140) e caldeireiro (R$ 2.093) também superaram a casa dos R$ 2 mil na carteira, em média.

No extremo oposto, a função de auxiliar de conservação de vias permanentes registrou 24 desligamentos e perda de R$ 1.007 de salário médio. A profissão de pedreiro registrou 16 baixas, com retração de R$ 1.497, enquanto a de ajustador mecânico perdeu 11 profissionais, decrescendo R$ 1.044 por trabalhador da massa salarial.

Confira onde estão as maiores oportunidades no mercado de trabalho de Parauapebas e qual é o valor médio em carteira com que os profissionais são contratados no município!