Comprou celular roubado, desviou dinheiro pelo pix e acabou preso

Com o sistema de rastreamento do aparelho ativado não foi difícil localizar o receptador
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Neujairo Sousa Lima, 38 anos, foi preso por volta das 19h de ontem, segunda-feira (20), após ter comprado um celular roubado e desviado R$ 700,00, via pix, da conta bancária da proprietária do aparelho, Lorena Rosa Muniz Machado, para a conta de Divino Félix da Silva.

Após o furto do aparelho, por volta do meio-dia de ontem, Lorena Machado procurou a 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil para registar a perda, adiantando aos policiais que o sistema de rastreamento do aparelho estava ativo e apontava que o celular estava na Avenida Brasil, Bairro Rio Verde.

No endereço indicado pelo GPS estava Neujairo Lima, que, inicialmente, negou que estivesse com o aparelho, mas, depois acabou confessando que havia comprado o celular de um desconhecido, pelo valor de R$ 150,00 e que, via pix, fez uma recarga de celular transferiu R$ 700,00 da conta de Lorena para a conta de Divino Félix da Silva, informando que essa pessoa não é de Parauapebas.

Indagado pelo celular, Neujairo disse que, após desviar o dinheiro, pediu a um amigo de pronome Marcos para jogar fora o celular. Os investigadores ligaram para Marcos orientando para que ele os encontrasse na casa da mãe dele, também na Avenida Brasil, para que levasse a polícia até o local onde tinha se livrado do celular.

Marco Paulo Dias Pimentel levou os policiais até um córrego no Bairro Nova Vida, de onde o celular foi retirado do meio da lama. Todos foram levados para a Delegacia de Polícia Civil, onde permanecem presos, aguardando decisão da Justiça.

Ouvido pela Reportagem do Blog, Neujairo Sousa Lima se disse arrependido pelo que fez e afirmou que está disposto a devolver o valor desviado da conta de Lorena Machado. Afirma que cometeu o crime levado por um impulso, mas já se arrependeu muito. Ele aconselha ainda, que as pessoas não comprem nada na rua, principalmente quando o preço pedido for bem menor que o real.

(Caetano Silva)