Centrada na extração de ferro, atividade industrial do Pará encolheu 1,3% ano passado

Em 2019, Pará produziu 179 milhões de toneladas de minério ante 190 milhões de toneladas em 2018. Apesar da baixa na lavra, valor transacionado em dólar cresceu consideravelmente.
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Os resultados da Pesquisa Industrial Mensal de Produção Física (PIM-PF) regional, divulgados nesta terça-feira (11) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelam que a atividade da indústria paraense ficou 1,3% menor em 2019. Parece incoerência, já que justamente no ano passado o Pará se consolidou como o 5º maior exportador de commodities do Brasil, atropelando Paraná e Mato Grosso, mas a realidade é que houve diminuição sensível na produção física do estado, amplamente justificada pela diminuição da lavra de minério de ferro na Serra Norte de Carajás, situada no município de Parauapebas. A informação foi levantada pelo Blog do Zé Dudu, que analisou o estudo recém-lançado do IBGE.

É necessário entender, em primeiro lugar, que produção física diz respeito ao volume de commodities produzido e mensurado em tonelagem. Nesse quesito, a tonelagem do Pará é altamente centralizada na produção de minério de ferro, cuja lavra é realizada pela multinacional Vale. Foi a empresa a responsável — ainda que sem querer e indiretamente — por colocar o Pará nas estatísticas de produção industrial do IBGE, devido ao volume robusto de minério extraído por aqui. Em seguida, entraram na cesta para diversificar a produção industrial cobre, alumínio, barras de aço, alimentos, bebidas, papel e produtos de madeira.

Ocorre, porém, que o peso do minério de ferro é preponderante sobre os demais itens exportados e foi ele quem puxou a produção paraense para baixo. Enquanto, por exemplo, a produção metalúrgica registrada em Marabá e Barcarena aumentou, segundo o IBGE, 0,56% ao longo de 2019, a extração de minério de ferro caiu 1,9% no mesmo período.

O Blog do Zé Dudu cruzou dados do IBGE com os do Ministério da Economia e concluiu que em 2019 a Vale produziu no Pará 178,94 milhões de toneladas de minério de ferro, que lhe renderam 11,64 bilhões de dólares. No ano de 2018, foi alcançada a maior produção, 190,37 milhões de toneladas, porém com valor de vendas menor, 9,2 bilhões de dólares. Isso se explica pelo fato de a cotação do minério de ferro ter sido consideravelmente maior no ano passado, mesmo com produção física inferior.

Publicidade