Câmara dos Deputados aprova MP da Liberdade Econômica

Governistas rejeitaram 12 destaques. Senadores têm até dia 27 para votar a proposta
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Os deputados da base do governo rejeitaram os 12 destaques —sugestões de mudanças que poderiam modificar o texto final — e aprovaram na noite desta quarta-feira (14) a Medida Provisória 881, conhecida como MP da Liberdade Econômica. Prevaleceu a redação do texto-base, que já havia sido aprovada pelo plenário na terça-feira (13). A matéria segue para apreciação do Senado sem modificações. Foram 345 votos a favor, 76 contra e uma abstenção.

A MP foi enviada pelo governo Bolsonaro ao Congresso Nacional e está no pacote de medidas para desburocratizar o ambiente de negócios do País. A medida prevê facilitar a abertura e o fechamento de empresas e diminuir restrições aos horários de funcionamento de diversas atividades econômicas, entre outras modificações. Segundo o governo, as mudanças têm potencial de gerar 3,7 milhões de empregos nos próximos dez anos

A Medida Provisória teve o texto aprovado com somente 20 artigos. Em julho, após ser aprovado por uma Comissão Especial, o relatório da MP tinha cerca de 50 pontos, que pouco a pouco foram sendo eliminados para diminuir a resistência entre parlamentares e evitar questionamentos futuros na Justiça, gerando insegurança jurídica. O risco cresceu depois que a MP recebeu cerca de 300 emendas de parlamentares, algumas delas sem relação direta com o tema da matéria, os chamados “jabutis”. 

Ainda assim, 12 propostas de alteração foram apresentadas pelos parlamentares, a maioria pela oposição, que considera que foi embutida na MP uma “minirreforma trabalhista”.

Boa parte dos destaques se concentrou em derrubar a autorização de trabalho aos domingos e feriados, mas a reversão foi derrubada pelo plenário da Câmara. Ficou mantida a permissão de trabalho aos domingos, uma das principais bandeiras do governo, desde que o empregador compense o empregado com uma folga. A redação prevê ainda que, a cada quatro semanas, fica obrigatória uma folga dominical. 

Outra proposta de modificação pretendia derrubar o artigo do chamado ponto por exceção, que permite que o trabalhador só registre seus horários de entrada e saída caso ele extrapole sua jornada fixa de trabalho, desde que, por acordo individual, coletivo ou por convenção com o empregador.

O texto diz ainda que anotação de horários de entrada e saída dos trabalhadores se mantém para empresas com mais de 20 funcionários. Hoje, a regra se aplica a empresas menores,  partir 10 funcionários.

INSS : Governo quer acabar com monopólio em benefícios como auxílio-doença e maternidade 

Também foi mantida no texto a previsão de que somente o patrimônio social de uma empresa pode responder pelas dívidas da empresa e de que isso não pode ser confundido com o patrimônio da pessoa física titular da empresa. Isso significa que sócios só poderão ter seu patrimônio pessoal usados para indenizações em casos com intenção clara de fraude. A oposição apresentou destaques ao tema, sem sucesso. 

Pontos caros ao governo seguem na proposta, como o fim do E-social, plataforma que reúne informações trabalhistas, previdenciárias e fiscais das empresas. Ela será substituída por um sistema mais simples, que demandará dos empregadores um volume de informações 50% menor a serem preenchidas.

Por Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília

Publicidade