Belém sobe e Parauapebas desce em gangorra de massa salarial, diz pesquisa

Cadastro Central de Empresas, que é cartão de visitas no qual grandes empreendimentos das áreas de comércio e serviços ficam de olho, revela avanço robusto em Marabá e Barcarena.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

De 2017 para 2018, 21 municípios paraenses tiveram graves prejuízos no mercado de trabalho formal, seja por demissões, seja por fechamento de empresas. O impacto mais real disso, mensurado em números numa pesquisa que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) acaba de divulgar, é a diminuição da massa salarial na praça. Entre os municípios do estado, Parauapebas foi o mais duramente afetado, com decréscimo de 2,8% na movimentação de salários.

As informações foram levantadas com exclusividade pelo Blog do Zé Dudu, que analisou resultados conclusivos do Cadastro Central de Empresas (Cempre) divulgado pelo IBGE sobre o cenário de 2018. O Cempre é uma espécie de cartão de visitas para investidores, empreendedores e consultorias que trabalham no mapeamento estratégico para dar suporte à implantação de novos negócios nas áreas de comércio e serviços, com foco em tamanho de mercado e potencial de consumo.

No emaranhado de dados, que podem ser cruzados para análise de diversos indicadores, chama atenção o fato de a massa salarial bruta decorrente de todos os empregos formais em Parauapebas ter encolhido R$ 48,245 milhões em relação a 2017. É a maior queda em termos absolutos no Pará, embora a maior baixa proporcional, de 35,2%, tenha sido verificada em Jacareacanga.

A capital paraense, Belém, é, por outro lado, o destaque positivo. A massa salarial da metrópole subiu de R$ 16,786 bilhões para R$ 18,476 bilhões, um magistral crescimento de R$ 1,69 bilhão ou, em termos relativos, 10,07% de incremento. Atualmente, Belém arregimenta a 13ª maior massa salarial do país, colada em Manaus-AM (R$ 18,683 bilhões, 12ª), e é o município com a 2ª melhor marca de crescimento entre os 50 que mais pagam salários em todos os setores econômicos. Só a capital maranhense, São Luís, apresentou desempenho proporcional maior, 11,19%.

Os municípios de São Paulo-SP (R$ 257,932 bilhões), Rio de Janeiro-RJ (R$ 117,166 bilhões), Brasília-DF (R$ 84,862 bilhões), Belo Horizonte-MG (R$ 57,192 bilhões) e Curitiba (R$ 43,228 bilhões) lideram o ranking dos maiores volumes de salários no país.

Marabá cresce 6,5%

Entre os maiores redutos de emprego no Pará, Marabá foi destaque por aumentar em R$ 90 milhões sua massa salarial de um ano para outro. É como se o principal município do sudeste do estado despejasse na praça uma “receita” do tamanho da gerenciada pelo poder público da vizinha Jacundá. Esse crescimento absoluto em massa salarial só é superado por Belém e Barcarena (que incrementou R$ 98,619 milhões). A taxa de avanço em Marabá foi de 6,51%.

Atualmente, cinco municípios ultrapassam R$ 1 bilhão em salários por ano na soma de todos os seus setores econômicos. Além de Belém (R$ 18,476 bilhões), têm folha bilionária Parauapebas (R$ 1,672 bilhão), Ananindeua (R$ 1,519 bilhão), Marabá (R$ 1,473 bilhão) e Santarém (R$ 1,13 bilhão). Em todos eles, a maior fonte pagadora são as prefeituras, mas só Parauapebas tem uma empresa cuja força salarial se rivaliza à da prefeitura. É a mineradora multinacional Vale, sem a qual o município de economia frágil dificilmente estaria entre os dez primeiros da lista. Enquanto nas demais localidades, setores como comércio e serviços conseguem sobreviver e empregar bem, em Parauapebas a dificuldade é maior porque todo o grande movimento que hoje se visualiza gira em torno da indústria mineral.

No pelotão dos dez municípios que mais produzem massa salarial também estão Barcarena (R$ 910,933 milhões), Castanhal (R$ 737,403 milhões), Paragominas (R$ 541,571 milhões), Altamira (R$ 524,991 milhões) e Canaã dos Carajás (R$ 480,153 milhões). Os menores movimentos foram verificados em Palestina do Pará (R$ 9,915 milhões), Magalhães Barata (R$ 9,741 milhões), Bagre (R$ 9,248 milhões), Peixe-Boi (R$ 7,583 milhões), Santa Cruz do Arari (R$ 7,089 milhões) e São João da Ponta (R$ 5,842 milhões).

Publicidade