Belém é “invisível” entre melhores capitais para ganhar dinheiro

Rendimento até aumentou na metrópole do Pará, mas não suficiente para engajá-la no rol das cidades que oferecem as mais prósperas oportunidades. Como consolo, não está entre piores.
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A crise em saúde pública desencadeada pela pandemia do novo coronavírus vai comprometer a geração de postos de trabalho pelos próximos meses e dificultar a recuperação econômica do país. Neste início de ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ao menos dez capitais brasileiras apresentaram redução da renda do trabalhador no primeiro trimestre frente ao mesmo período do ano passado. Mas a capital paraense destoa desse grupo e apresentou crescimento nominal de R$ 109 de um ano para outro.

A informação foi levantada pelo Blog do Zé Dudu, que explorou os dados da mais recente Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), segundo a qual, embora o trabalhador belenense esteja faturando um pouco mais, a capital do Pará não está nem de longe entre as dez melhores para ganhar dinheiro no país. Se serve de consolo, também não está entre as dez piores.

O rendimento de todas as atividades desempenhadas por um trabalhador de Belém passou de R$ 2.527 nos primeiros três meses de 2019 para R$ 2.638 nos primeiros três de 2020. No meio desse caminho, os três últimos meses do ano passado, os ganhos do belenense chegaram a R$ 2.659. Entre as 27 capitais brasileiras, essa renda está apenas na 17ª colocação. As melhores capitais do Brasil para ganhar dinheiro hoje chegam a pagar quase 70% mais que a metrópole paraense.

É o caso de Vitória (ES), que ostenta as mais atrativas oportunidades. Lá, o trabalhador chega a ganhar mensalmente R$ 4.440. Em Porto Alegre (RS), com R$ 4.173, e em São Paulo (SP), com R$ 4.165, os ganhos também são expressivos e já superam os da capital federal, Brasília (DF), onde a remuneração média do trabalhador está em R$ 3.969.

No extremo oposto, as capitais nordestinas e nortistas ocupam as piores posições. Maceió (AL) oferece a mais baixa remuneração média, R$ 1.937, seguida de não muito longe por Teresina (PI), com R$ 1.999, e São Luís (MA), com R$ 2.020. Na sequência, aparecem Rio Branco (AC), com R$ 2.098, Manaus (AM), com R$ 2.185, e Macapá (AP), com R$ 2.229.

Esse panorama revela, reflete e é refletido pelas diferenças socioeconômicas regionais já consagradas no país, com o Centro-Sul dominando as oportunidades mais promissoras enquanto as regiões Nordeste e Amazônia amargam os piores indicadores de desenvolvimento, o que impacta claramente na geração de emprego e renda. Além de serem as que pagam menos, as capitais nordestinas e nortistas são antros de trabalhadores da iniciativa privada sem vínculo formal e, portanto, sem garantias trabalhistas, o que avoluma as estatísticas de informalidade.

Publicidade