Pará

Belém é a 2ª capital mais violenta do Brasil, aponta levantamento

Número de pessoas assassinadas no ano passado é superior à população inteira de alguns municípios brasileiros. Se Belém tivesse tamanho de São Paulo, mataria mais de 8 mil por ano.

Se, com 1,49 milhão de habitantes, a capital paraense assistiu ao assassinato de 1.022 pessoas em 2018, imagine se tivesse o tamanho da cidade de São Paulo, a maior das Américas, com 12,25 milhões de moradores: Belém veria morrer anualmente cerca de 8.400 pessoas vítimas da criminalidade. Sim: da forma como a violência prosperou no Pará, se Belém tivesse o tamanho da cidade de São Paulo, sepultaria uma quantidade de pessoas superior à população inteira de 2.190 municípios brasileiros.

As informações foram levantadas pelo Blog do Zé Dudu, que cruzou números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com os do 13° Anuário Brasileiro de Segurança Pública divulgados ontem (10) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Os dados desta edição do estudo do Fórum são de 2018. As mais de mil pessoas mortas na capital do Pará totalizam mais vítimas que a população atual inteira dos municípios de Serra da Saudade (MG), com 781 moradores; Borá (SP), com 837; e Araguainha (MT), com 935.

No ano passado, Belém foi a segunda capital mais violenta do Brasil, com taxa de 68,8 assassinatos em cada grupo de 100 mil habitantes. Só a vizinha Macapá (AP) conseguiu números ainda piores: 70,1 mortes violentas por 100 mil. A proporcionalidade da violência na capital paraense é comparável à dos países que mais matam no mundo e superior à de nações em guerra.

Terceira vergonha no ano

Recentemente, Belém viu seu nome estampado numa pesquisa liderada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), o “Atlas da Violência”, em que aparece como um dos municípios mais letais do Brasil, ao lado dos vizinhos Ananindeua e Marituba. No começo do ano, a organização não governamental mexicana Seguridad, Justicia y Paz já assinalava a capital do Pará como uma das 20 cidades mais mortais do mundo.

Além disso, o empobrecimento progressivo da metrópole preocupa e rouba a cena, junto com a criminalidade que prospera. Belém ocupa a lanterna do saneamento básico nacional, conforme o Instituto Trata Brasil e a Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes); é um dos lugares do país com proporcionalmente mais novos desempregados, de acordo tanto com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, quanto com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), do IBGE. E mais: iniciou este semestre com 560 mil habitantes de baixa renda, de acordo com o Ministério da Cidadania, entre os quais 316 mil vivendo em pobreza extrema.

Todos esses fatores, aliados à baixa atratividade para negócios e à pífia capacidade de geração de emprego e renda, são uma plataforma para a criminalidade que consolidam a capital paraense — outrora uma das cidades mais ricas e prósperas do mundo — um dos maiores arranha-céus de subdesenvolvimento do país.

Deixe seu comentário