Belém é 4º do Brasil que mais abriu postos de trabalho formais em 2018

Levantamento inédito do Blog cruzou dados do Caged e da Rais para revelar quem, de fato, encerrou o ano com empregos fixos efetivamente criados. Goiânia, por exemplo, tido como 8º melhor no Caged, ficou como 3º pior do país nos números finais do Ministério da Economia.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Mesmo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) querendo queimar o filme da capital paraense, quando o assunto é emprego formal, Belém nunca antes esteve tão bem na foto em se tratando de criação de oportunidades. E quem diz é a Relação Anual de Informações Sociais (Rais), um cadastro bem mais completo que o Caged. Ambos são geridos pelo Ministério da Economia.

Os números conclusivos das contratações de 2018, divulgados no final da semana passada, revelam que a capital do Pará foi, entre os 5.570 municípios brasileiros, o 4º que mais empregou. Exatos 11.054 novos trabalhadores foram admitidos, seja por regime celetista (como nas empresas privadas), seja por regime estatutário (como no serviço público).

O Blog do Zé Dudu cruzou dados finais da Rais e do Caged de 2018 para analisar a dinâmica que coloca Belém no topo nacional e constatou que, se dependesse apenas do Caged, a capital estaria entre as que menos geram emprego no país, já que o saldo das contratações por carteira assinada computadas pelo Caged foi de apenas 129 admissões. Ocorre, porém, que o Caged despreza as contratações no setor público efetuadas por regime jurídico próprio, daí a discrepância no resultado final.

Muitos concursos públicos realizados na capital e com lotação para lá deram um “up” no mercado de trabalho formal e roubaram a cena. Belém, como há muito tempo não se via, ultrapassou Goiânia como a meca de postos de trabalho em 2018. O Blog do Zé Dudu puxou a ficha da capital de Goiás e concluiu que, embora o Caged tenha enfiado Goiânia na 8ª posição nacional em 2018, com 6.504 empregos criados com carteira assinada, aquela capital terminou o ano passado, na verdade, como o 3º município brasileiro que mais desempregou. Segundo a Rais, Goiânia teve retração de 10.884 trabalhadores. E tem mais: a média de remuneração do trabalhador de Belém, de R$ 3.562,92, já é superior à média de Goiânia, de R$ 3.336,54.

Enquanto o Caged registrou 15.286 novos postos de trabalho criados no estado em 2018, a Rais totalizou 16.728. Além de Belém, o município de Barcarena se destacou tanto no estado (2º) quanto nacionalmente (18º), com 4.390 novos trabalhadores adicionados, segundo a Rais — no entanto, pelo Caged seriam apenas 2.611.

O Blog do Zé Dudu organizou e compilou, de forma inédita, os dados dos saldos finais registrados pelo Caged e pela Rais para todos os municípios paraenses, a fim de mostrar o disparate entre ambos os cadastros administrativos. Ressalte-se que o Caged, embora de periodicidade mensal e comumente utilizado para mapear empregos por localidade, não tem a abrangência da Rais.

Publicidade

Relacionados