Tucuruí

Banco de Germoplasma de Tucuruí apresenta resultado positivo de remoção de CO²

A Eletrobras divulgou a 11ª edição do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) –Ano Base 2018, uma importante ferramenta de avaliação dos aspectos ambientais e de sustentabilidade empresariais. A estatal realiza o estudo desde 2009 de forma ininterrupta. O inventário é compatível com a Política Nacional sobre Mudança do Clima e contribui com a meta de priorizar a geração de energia por fontes renováveis e de baixa emissão de GEE.

Nos últimos anos houve o aumento da participação de fontes com baixa emissão na capacidade instalada das empresas Eletrobras que, em 2018, representavam quase 95% do total, contribuindo de forma decisiva para que a matriz elétrica brasileira seja uma das mais limpas e renováveis do mundo.

A Eletronorte fez parte do grupo de trabalho que elaborou o relatório e o resultado de emissões de GEE da Empresa em 2018 foi de pouco mais de 116 mil toneladas de CO², evidenciando uma redução total de 30% em relação a 2017.

Desde 2014, a Eletronorte vem reduzindo suas emissões de GEE devido ao desligamento de suas termelétricas próprias e com a redução do despacho de um produtor independente. Em relação ao balanço de emissões versus remoções de CO², devido a atividades que provocam mudança no uso do solo, a Eletronorte apresentou um resultado positivo de 5,2 mil toneladas de CO², referente ao trabalho desenvolvido pelo programa de germoplasma da Usina Hidrelétrica Tucuruí.

Fontes responsáveis

De acordo com o inventário de 2018, observa-se uma tendência de redução das emissões de GEE das empresas Eletrobras a partir de 2015, com um pequeno aumento em 2018, devido à produção de energia termelétrica no Amazonas. A emissão total dessas empresas chegou a 6 milhões de toneladas de CO², e quatro fontes foram responsáveis por 99% desse total: usinas termelétricas próprias; perdas na transmissão; o gás SF6, aplicado como meio isolante em disjuntores de alta tensão; e produtores independentes de energia, sendo as térmicas próprias responsáveis por 87% das emissões totais. As emissões das demais fontes representam 1% do total.

Gestão da Sustentabilidade Ambiental (IGS) 

O gerente do Departamento de Meio Ambiente de Empreendimentos de Geração, Rubens Ghilardi Jr., explica que o Sistema Indicadores de Gestão da Sustentabilidade Ambiental (IGS) é o instrumento que as empresas Eletrobras utilizam, de uma forma integrada, para avaliar suas emissões.

Desde 2016, a ferramenta de cálculo das emissões de GEE está alinhada com o banco de dados do Sistema IGS. Ou seja, todos os valores de entrada para o cálculo de emissões são coletados pelo IGS que, por meio de seus protocolos, orienta a medição de grandezas nas diferentes empresas sempre da mesma forma. Com isso, o processo ganhou mais confiabilidade e rastreabilidade, já que todas as empresas são usuárias do Sistema IGS e a informação fica disponível em uma única ferramenta.

Segundo Rubens, evitar os efeitos das mudanças climáticas é um dever de toda a sociedade, incluindo cidadãos, governos e empresas: “A Eletronorte está inserida nesse processo, como empresa pública que tem seus compromissos de considerar as mudanças climáticas em seus negócios sustentáveis, especialmente considerando que grande parte da nossa receita provém dos recursos hídricos, diretamente afetados pelas alterações no clima”.

Legislação

O inventário está compatível com a Política Nacional sobre Mudança do Clima, instituída pela Lei 12.187/2009 e regulamentada pelo Decreto 7.390/2009, que estabelece e entre seus instrumentos: medidas que estimulem o desenvolvimento de processos e tecnologias que contribuam para a redução e remoções de GEE, bem como para a valorização de propostas que propiciem maior economia de energia, água e outros recursos naturais e para redução da emissão de GEE e de resíduos; registros, inventários, estimativas, avaliações e quaisquer outros estudos de emissões de GEE e de suas fontes, elaborados com base em informações e dados fornecidos por entidades públicas e privadas (art. 6º, XII e XIII).

O que é um banco de germoplasma?

A Política Ambiental das Empresas Eletrobras tem como um dos Princípios “estar em conformidade com as políticas públicas, marcos legal e regulatório, bem como com os acordos internacionais dos quais o Brasil é signatário”. Além disso, atende às diretrizes da Política Ambiental no que diz respeito ao Relacionamento com a Sociedade, Comunicação Ambiental e Mudanças Climáticas. 

O germoplasma é a matéria-prima para que um melhoramento genético aconteça. Um germoplasma pode ser entendido como uma amostra de material genético com capacidade de manter as características de uma população mesmo com o passar do tempo. Bons exemplos de germoplasmas são: pólen, sementes e células dentre outros materiais.

(Fonte: Eletronorte. Fotos Denis Aragão)

Deixe seu comentário