Assessor parlamentar é alvo de campanha caluniosa em Canaã

Joel Rocha foi acusado de tentativa de estupro e as fake news viralizaram nas redes sociais. Os autores, no entanto, já foram identificados e denunciados à polícia
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Por pouco, Joel Pereira da Rocha, 38 anos, não viu sua reputação escorrer pelo ralo. Desde a noite de domingo (9), o nome e uma foto do assessor parlamentar estão circulando nas redes sociais e aplicativos de mensagens instantâneas, acusado de duas tentativas estupro no Bairro Santa Vitória, onde ele é presidente da Associação de Moradores. As vítimas seriam duas meninas da mesma localidade. “Este homem tentou estuprar duas crianças no Bairro Santa Vitória em Canaã dos Carajás”, dizia o texto.

A mensagem difamatória começou a ser compartilhada em diversos grupos e rapidamente viralizou por se tratar de um homem bastante conhecido na cidade, principalmente no meio político. O mesmo texto dizia que “Caveira”, como é conhecido, já responde a outros cinco processos pelo mesmo crime.

Ao tomar conhecimento da situação, Joel se manifestou e negou as acusações e disse estar sendo alvo de perseguição política. “Fiz uma escolha partidária para estas eleições e estão me perseguindo por conta disso. Me falaram que tem uma casinha montada pra mim, lá no motocross, para me colocar na cadeia e me destruir na política. Essas pessoas, no entanto, precisam saber que eu não quero ser vereador em 2020. Peço ajuda para identificar quem fez isso; alguém foi pago para me difamar usando essas crianças. Tem gente grande por trás disso”, se defendeu.

Posteriormente, “Caveira” disse que já sabe de onde partiram os ataques e seus autores já estão identificados. O caso será levado à Justiça e os acusados deverão ser indiciados por calúnia e difamação. Ele disse ainda que a polícia pediu sigilo nos nomes para não atrapalhar nas investigações. “Nós já sabemos de onde partiu esse boato, mas a polícia ainda não quer que divulgue nada”, afirmou.