Apreensão de mercadorias ilegais dispara mais de 2.000% no Pará em 2019

Este ano, fiscais da Receita Federal apreenderam de janeiro a maio quase R$ 7 milhões em produtos, como cigarros contrabandeados. Pará só perde para Bahia em taxa de crescimento.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Este ano, fiscais da Receita Federal apreenderam de janeiro a maio quase R$ 7 milhões em produtos, como cigarros contrabandeados. Pará só perde para Bahia em taxa de crescimento.

Cerca de R$ 6,8 milhões foram apreendidos no Pará em mercadorias ilegais, de janeiro a mais deste ano, de acordo com a Receita Federal do Brasil. O estado registrou aumento de 2.288% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram apreendidos R$ 286,2 mil em produtos piratas e de origem ilegal. As informações foram divulgadas pelo portal G1, que obteve os dados a partir da Lei de Acesso à Informação (LAI) junto ao Ministério da Economia.

O crescimento de produtos contrabandeados circulando pelo Pará só ficou atrás da movimentação proporcional registrada pela Bahia entre 2018 e 2019, estado no qual a apreensão de mercadorias disparou 4.751%. Para chegar ao cálculo, a Receita Federal leva em conta mercadoria estrangeira de importação proibida (como produtos falsificados) ou com fraude na importação, cigarros em situação irregular e veículos transportando as mercadorias ilegais.

Segundo o portal G1, a Receita Federal converte as apreensões em dinheiro porque os agentes conseguem comparar o trabalho da fiscalização de tempos em tempos. Em nota, a Receita explicou que o aumento das apreensões de mercadorias ilegais em 2019, em todo o país, em comparação com 2018, foi possível porque “os procedimentos de controle, vigilância e repressão da RFB estão evoluindo em velocidade acentuada utilizando como base os pilares de: gestão de risco, inteligência e integração, bem como, o uso de tecnologia de ponta em seus diversos sistemas informatizados”. O estado de São Paulo é campeão em valores absolutos, com R$ 308,2 milhões em mercadorias ilegais apreendidas. Em seguida vêm Paraná (R$ 250,4 milhões), Mato Grosso do Sul (R$ 193,9 milhões), Rio de Janeiro (R$ 152,1 milhões) e Santa Catarina (R$ 80,5 milhões). Considerando-se 22 estados e o Distrito Federal, que possuem dados completos atualizados para o período de janeiro a maio deste ano, a apreensão totaliza R$ 1,27 bilhão no país, alta de 32% na comparação com os R$ 968,1 milhões contabilizados em 2018

Publicidade

Relacionados