Apagão no Amapá: Justiça afasta provisoriamente diretoria da Aneel e da ONS

Medida é para garantir que o TCU e a Polícia Federal prossigam com as investigações sobre as causas do blecaute após 17 dias de crise energética
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Brasília – O juiz João Bosco Costa Soares da Silva, 2ª Vara da Seção Judiciária do TRF-1 do Amapá, nesta quinta-feira (19), acatou o pedido da ação popular movida pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e afastou preventivamente a diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e também do Operador Nacional do Sistema (ONS), após 17 dias de crise energética no Amapá.

A sentença visa garantir que o Tribunal de Contas da União (TCU) e a Polícia Federal prossigam com as investigações com maior “isenção e eficácia” sobre as causas do blecaute no estado do Amapá.

“Por intermédio do afastamento provisório dos agentes públicos, busca-se fornecer ao juiz instrumento capaz de alcançar a verdade real, evitando-se que eventuais atuações dolosas possam atrapalhar a produção dos elementos necessários à apuração dos fatos e, por conseguinte, à formação do convencimento judicial”, diz a decisão.

O senador Randolfe diz que os órgãos do governo federal negligenciaram o risco de apagão na região. Em petição, ele afirma que relatórios de órgãos fiscalizadores do setor elétrico tinham conhecimento das condições precárias dos equipamentos e dos ricos de blecaute. Ele acusa que “a subestação do Macapá operava no limite da capacidade há dois anos”.

Por meio de nota, a Aneel afirmou que ainda não foi notificada formalmente sobre a decisão da justiça, mas informou que irá recorrer à decisão assim que for notificada.

O deputado federal Camilo Capiberibe (PSB-AP), ingressou nesta quinta-feira (19), com uma ação que pede ao Ministério Público Estadual e o Ministério Público Federal adotem procedimentos legais para que a população dos 13 municípios afetados pelo apagão seja ressarcida dos prejuízos acumulados.

Camilo Capiberibe requer que o MPF e o MPE determinem “a instauração do Inquérito Civil Público objetivando a apuração dos fatos, identificação dos responsáveis, a indicação de responsabilidades, para ao final adotar a medidas judicias e extrajudiciais em defesa da população amapaense, objetivando o ressarcimento dos danos materiais e morais sofridos pelo povo do Amapá”.

Na representação, o parlamentar aponta que, além da falta de energia, há falta de água, internet, telefonia, dinheiro, alimentos e segurança.

Desde o dia 3 de novembro, o estado enfrenta estado de calamidade causado por um blecaute que atingiu 13 dos 16 municípios da região. Na última terça-feira (17), após o fornecimento de energia ter sido parcialmente reestabelecido, ocorreu um novo apagão. A crise afetou também setores básicos como distribuição de água e alimentos, levando o governo da região a decretar estado de calamidade pública.

Tags: #Infraestrutura #Apagão no Amapá #Justiça #Aneel #ONS #Polícia Federal #Energia Elétrica

Val-André Mutran – É correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília