Alepa: Deputados apresentam 1.092 emendas ao Plano Plurianual do Pará

Será grande a correria da Comissão de Finanças para analisar as propostas, já que prazo para aprovação do PPA vai até 30 deste mês.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Nada menos que 1.092 emendas foram apresentadas pelos deputados ao projeto de lei do Executivo que dispõe sobre o Plano Plurianual do Pará (PPA), para o período 2020-2023. O prazo para emendas foi encerrado na tarde de ontem (12) depois de ser prorrogado por duas vezes a pedido dos próprios parlamentares.

A correria agora será da Comissão de Fiscalização Financeira e Orçamentária (CFFO), para emitir parecer a todas as emendas antes de o projeto ser levado à votação em plenário. Pela Constituição, o Legislativo tem até o dia 30 deste mês para debater e aprovar o PPA, onde o governo informa ao parlamento como vai trabalhar e aplicar o orçamento, para o desenvolvimento do Estado durante quatro anos.

Cabe ao Legislativo fiscalizar se as diretrizes, metas e objetivos estão sendo cumpridos. Conforme dito pelo governador Helder Barbalho, em entrevista, o governo passado cumpriu apenas 33% do PPA para o quadriênio 2016/2019. Para a construção do atual Plano Plurianual, foram realizadas audiências públicas nas 12 regiões integradas do Pará, das quais participaram 1.919 pessoas, havendo ainda 359 manifestações de propostas e sugestões, via internet, à Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan).

“Este plano está imbuído da minha esperança e certeza de que se trata de um instrumento que, apoiado em projetos estratégicos setoriais, irá possibilitar avanços efetivos às diferentes regiões do Estado, com o comprometimento não apenas do Poder Executivo estadual, mas também dos poderes Judiciário, Legislativo e os demais órgãos constitucionais independentes, do setor privado e organizações da sociedade civil”, diz o governador Helder Barbalho na mensagem do projeto enviado à Alepa.

Apesar do curto prazo para emissão de parecer a um volume tão grande de emendas, o presidente da CFFO, deputado Júnior Hage (PDT), assegurou hoje (13), em entrevista coletiva, que o trabalho está transcorrendo de forma tranquila. Até porque a comissão tem uma equipe técnica bem preparada, que já vem analisando as emendas desde o início do prazo, em 2 de outubro, para não acumular tarefas na reta final.

“E o governo está tendo acesso às mudanças solicitadas pelos deputados por meio das emendas”, disse Júnior Hage, que, como presidente da CFFO, é relator do PPA. Não é garantia para os parlamentares que mesmo as emendas com parecer aprovado sejam recepcionadas pelo governador Helder Barbalho.

“Faremos a nossa análise técnica e eles (governo) farão a deles. E devemos chegar a um consenso para propiciarmos o melhor às regiões e a seus municípios sem desfigurar a peça orçamentária proposta pelo Poder Executivo”, ponderou Júnior Hage.

Dentre as ações previstas pelo PPA, para serem executadas nos próximos quatro anos, estão:
na área de segurança pública: o aumento do efetivo e reaparelhamento das forças policiais do Estado,
na saúde: a inauguração de um hospital dedicado à saúde da mulher;
na educação: reforma e aparelhamento das escolas;
na indústria: a implantação de Zonas de Processamento de Exportações (ZPEs);
na agricultura: o fomento à agricultura familiar, ao agronegócio;
no turismo: a estruturação da logística e fomento da infraestrutura hoteleira;
na habitação: construção de projetos habitacionais;
na infraestrutura: investimentos em rodovias.

Emendas ao Orçamento

Na próxima terça-feira (19), será aberto um outro prazo de apresentação de emendas aos deputados, desta vez para o projeto que dispõe sobre a Lei Orçamentária Anual (LOA) para o ano de 2020. “É muito bom e salutar quando as duas peças se encontram na Casa, pois os investimentos do PPA previstos para 2020 terão obrigatoriamente que estar na LOA 2020. E esse encontro só ocorre – dessa forma – no primeiro ano de cada administração”, observou Júnior Hage.

Com isso, a Comissão de Finanças não vai parar até porque a LOA é a peça orçamentária que mais recebe emendas parlamentares porque, no projeto, o governo descrimina as obras e os valores a serem investidos no Estado. O prazo para aprovação da LOA termina em 20 de dezembro.

Por Hanny Amoras – Correspondente do Blog em Belém

Publicidade

Relacionados