Zequinha Marinho é eleito presidente da Comissão de Mudanças Climáticas do Congresso

Colegiado, composto por 11 deputados e senadores, irá centralizar o debate sobre o futuro da Amazônia
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir
Comissão Mista Permanente sobre Mudanças Climáticas (CMMC) realiza primeira reunião para instalação da comissão e eleição do presidente, do vice-presidente e do relator.rrParticipam:rsenador Alessandro Vieira (Cidadania-SE); senador Zequinha Marinho (PSC-PA);rdeputado Claudio Cajado (PP-BA).rrFoto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Continua depois da publicidade

Brasília – O senador Zequinha Marinho (PSC-PA) foi eleito, na tarde desta quarta-feira, 28, para presidir no próximo biênio (2019-2020) a Comissão Mista Permanente de Mudanças Climáticas (CMMC). O colegiado será composto por 11 deputados e senadores que terão a missão de centralizar o debate sobre o futuro da Amazônia. 

Reativada pelo Congresso Nacional como resposta ao problema do desmatamento ilegal no maior Bioma do Planeta e suas consequências para o meio ambiente, a Comissão surge como espaço que irá centralizar o debate, além de acompanhar, monitorar e fiscalizar as ações do governo sobre a Amazônia.

A regularização fundiária é considerada pelo presidente da Comissão como o principal ponto para enfrentar o desmatamento ilegal na região. “A Amazônia não tem regularização fundiária. A terra não tem dono. Os governos ainda não se debruçaram sobre isso. Terra sem dono, todo mundo se sente no direito de fazer o que quiser com ela. E aí está a razão do desmatamento ilegal”, enfatizou o senador Zequinha.

Com a instalação da Comissão, o próximo passo será a aprovação do plano de trabalho apresentado pelo relator, deputado Edilázio Júnior (PSD-MA). A expectativa do grupo é que pesquisadores e representantes do setor produtivo sejam chamados numa rodada de audiências públicas que vai levantar as causas e as consequências do desmatamento ilegal na Amazônia.

Para o senador, é fundamental propor um modelo de desenvolvimento sustentável para a região que associe a preservação com a produção local. “É muito difícil termos efetividade no debate sem necessariamente passar pela discussão do desenvolvimento sustentável”, alertou o senador.

Vários planos de desenvolvimento de governos anteriores foram simplesmente engavetados, lembrou o senador paraense. O plano de desenvolvimento sustentável para regiões da Amazônia foi um deles. “Em 2006, governo apresentou o Plano de Desenvolvimento Territorial Sustentável do Arquipélago do Marajó. Este documento trazia 68 ações prioritárias, mas tudo não passou de uma peça de ficção. Sem o governo como indutor do desenvolvimento, a região patina em níveis de subdesenvolvimento, com o pior IDH do Brasil e do mundo. O cidadão que padece com essa miséria toda dificilmente terá a consciência para preservar o meio ambiente”, justificou. Ao destacar o papel da Comissão para o futuro da Amazônia, o senador Marcos Rogério (DEM-GO) reforçou a necessidade de um debate equilibrado e racional. “Quem está lá na região não nega os fatos, mas também não superdimensiona e não afasta que, no centro desse debate, tem questões que vão além de clima e meio ambiente. Há questões comerciais, de soberania. Esta é uma comissão de estudo, de análise, e que muito pode contribuir para o aprimoramento normativo do país”, concluiu. (Com informações da ASCOM – Gabinete do Senador Zequinha Marinho – PSC-PA).

Por Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu em Brasília.

Publicidade

Relacionados