Veja como está a taxa de urbanização nos municípios paraenses

Municípios da Grande Belém têm quase 100% da população vivendo na sede. No interior, um do Marajó e dois do Sudeste ostentam taxa de urbanização superior a 90%; conheça quem são

Continua depois da publicidade

Uma curiosidade que ronda a cabeça de muita gente é sobre o tamanho das cidades, o que está intimamente relacionado à população urbana que ocupa essas cidades. No Brasil, todo município é dividido na parte urbana e rural, e os dados demográficos relativos à urbanização estão defasados desde 2010, quando fora realizado o último censo demográfico pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mas o Blog do Zé Dudu arranjou uma maneira sofisticada, a partir de dados oficiais, para fazer o recorte populacional dos 144 municípios paraenses com base nas concepções de urbano e rural. O Blog contabilizou os dados do Cadastro Único, do Governo Federal, e notou que, de uma amostra declarada por 4,477 milhões de paraenses, 65% moravam em cidades no início deste ano. Em 2010, o IBGE registrou 68,5% dos habitantes do Pará morando nas áreas urbanas.

O cenário pouco sofreu alteração e os números de fevereiro deste ano do CadÚnico imitam os dados gerais do censo de agosto de 2010, mas com muitas curiosidades. Os municípios com maiores percentuais de população urbana são, majoritariamente, os da Grande Belém. No interior, apenas Soure, Redenção e Parauapebas teriam mais de 90% de seus habitantes na sede municipal.

Em Marituba (99,82%), Ananindeua (99,65%) e Belém (99,14%), quase todos os habitantes estão na sede. Essa região, intensamente adensada, forma uma das áreas populacionais mais importantes do país e é a mais urbanizada da Região Norte. Benevides, também vizinha das três, é quem mais chama atenção porque hoje estaria, segundo o CadÚnico, com 96,24% de sua população na área urbana, enquanto em 2010 o percentual era de apenas 55,98%.

Soure, na ilha do Marajó, é o município mais urbanizado do Pará fora da Grande Belém, com 94% de seus moradores habitando a sede. É curioso o desempenho de Soure porque os demais municípios da região do Marajó são famosos justamente pelo contrário: pelas altas taxas de ruralização. Hoje, Chaves seria, pelos dados do Cadastro Único, o município menos urbanizado do Pará — e um dos menos do Brasil —, com apenas 16,85% de cidadãos urbanos, pouco acima dos 11,95% registrado em 2010.

Redenção e Parauapebas

Com 92,57% de urbanização, Redenção, principal cidade do sul do Pará, é a mais urbanizada da região. A cidade com sotaque caipira, fruto de migração de goianos e mineiros, tem praticamente o mesmo grau de urbanização registrado em 2010, que era à época 92,73%. A diferença é que, em 12 anos, a população total aumentou.

A situação é similar à de Parauapebas, cuja taxa de urbanização chegou a 90,23%, praticamente a mesma de 2020, que foi de 90,11%. A se confirmar essa taxa, Parauapebas se torna a maior cidade de todo o sudeste do Pará, superando até mesmo a população urbana de

Marabá, onde a taxa de urbanização, pelos dados do CadÚnico, é de 78,41%. Atualmente, a cidade de Parauapebas estaria com 250 mil habitantes, enquanto a de Marabá contaria com cerca de 230 mil.

Outros dados também comprovariam que a população urbana de Parauapebas já ultrapassou a de Marabá, como o número de eleitores urbanos e o total de matrículas na educação básica em escolas urbanas. Ademais, tal como Parauapebas possui considerável população flutuante, que está na cidade por conta de trabalho, Marabá também conta com cerca de 10 mil estudantes que habitam o município para fazer faculdade, mas que não são de lá de fato.

Os municípios com os maiores ganhos de urbanização entre 2010 e 2022 foram Colares (+46,81%), Água Azul do Norte (+44,27%) e Benevides (+40,26%). Mocajuba (-32,72%), Salvaterra (-25,08%) e Peixe-Boi (-18,47%), por outro lado, apresentaram as maiores perdas de urbanização. Atualmente, 77 dos 144 municípios do Pará têm urbanização superior a 50%.

CONFIRA OS DADOS DE URBANIZAÇÃO EXTRAÍDOS DIRETAMENTE DO CADASTRO ÚNICO ATUALIZADO EM FEVEREIRO DE 2022.

%d blogueiros gostam disto: