TV da Confederação Nacional das Indústrias registra o Pará em documentário sobre o Brasil

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Equipe de reportagem da TV da Confederação Nacional das Indústrias (CNI) veio ao Pará para registrar e documentar dados acerca do potencial industrial do estado, o painel do ambiente de atuação econômica, dos custos de produção, de investimentos que permitem o desenvolvimento da força mineral paraense e ainda conferir os fatores fundamentais para se investir no Pará.

O Pará foi o quinto estado a ser documentado pelo grupo, o qual já se encontra no Ceará para dar continuidade às gravações do documentário que irá ressaltar as potencialidades econômicas do Brasil. De acordo com o diretor de projetos, Bruno Passeri, o grupo ainda irá visitar mais nove estados.

A equipe, no período em que esteve no Pará, realizou várias imagens que revelam o ambiente econômico do estado, além de entrevistas e uma exclusiva com a economista e pesquisadora da Universidade federal do Pará (UFPA), Maria Amélia Enríquez, atualmente titular da Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração (Seicom).

Maria Amélia é doutora em Desenvolvimento Sustentável na Universidade Nacional de Brasília (UnB), tem mestrado em Geociências pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e especialização em Teoria Econômica, no antigo Centro de Estudos Superior do Pará (Cesep/PA), hoje Universidade da Amazônia (Unama). Integra o board do International Society for Ecological Economics (ISEE) e, de maio de 2008 a julho de 2011, foi assessora da Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral (SGM) do Ministério das Minas e Energia (MME) do Governo Federal.

A equipe de reportagem também conheceu o Espaço São José Liberto, onde fizeram imagens das rochas expostas e da movimentação no local, visitou os pontos de comercialização de joias criadas por designers paraenses e ainda recebeu o livro Joias do Pará: design, experimentações e tecnologia nos modos de fazer, uma publicação da equipe do Polo São José Liberto e Instituto de Gemas e Joias da Amazônia (OS Igama).

Fonte: Agência Pará de Notícias

Publicidade