Tucuruí: Hospital Regional ganha mais 10 leitos de UTI

As unidades começam a funcionar nesta quinta-feira (6). O hospital já contava com 16 leitos clínicos e 19 leitos de UTI e, com a ampliação, sobe para 29, ampliando a oferta de vagas à população acometida por Covid-19
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A partir desta quinta-feira (6), serão disponibilizados mais 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Regional de Tucuruí, no sudeste paraense. A ampliação faz parte do plano estratégico do governo do estado, para conter a pandemia em todas as regiões do Pará, adotando medidas preventivas para garantir o atendimento hospitalar a pacientes de Covid-19.

A unidade já contava com 16 leitos clínicos e 19 leitos de UTI e com a ampliação sobe para 29. Além de Tucuruí, o hospital atende a população de Breu Branco, Goianésia do Pará, Jacundá, Novo Repartimento e Tailândia.

Segundo a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), a alteração resulta do acompanhamento da situação epidemiológica no estado. O titular da Sespa, Rômulo Rodovalho, destaca que equipes técnicas monitoram diariamente os 144 municípios, para saber quais regiões precisam de mais suporte. “Abrimos muitos leitos por todo o Pará desde o início do ano. Foi necessário que mais hospitais voltassem ao atendimento de casos de Covid-19 e, nesse momento, avaliamos que é necessário abrir de forma preventiva mais leitos em Tucuruí”, enfatizou o secretário.

Além da ampliação dos leitos de UTI em Tucuruí, no último sábado (1º) foi entregue a nova ala de UTI do Hospital Ophir Loyola, que atenderá pacientes oncológicos, transplantados e renais crônicos diagnosticados com a Covid-19. A estrutura conta com 19 leitos, distribuídos em dois andares.

Fora isso, o governo do Pará abriu 2.150 leitos, entre clínicos e de UTI, exclusivos para o tratamento da doença. No início de março deste ano, a oferta era de 1.443 leitos. Até o final de abril foram oferecidos 702 leitos a mais ao enfrentamento da pandemia.

Por Tina DeBord

Publicidade