Trânsito: Mais um avanço de preferencial e mais uma morte em Parauapebas

A falta de sinalização em muitos cruzamentos da cidade e a imprudência ou desconhecimento dos condutores quanto às vias preferenciais, vêm ceifando cada vez mais vidas no município
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Claudiomaria Souza da Silva, 36 anos, natural de Teixeira de Freitas (BA), foi mais uma vítima fatal de acidente de trânsito, em Parauapebas, por volta das 11h desta sexta-feira (8), no cruzamento das ruas Castro Alves e São Francisco, no Bairro da Paz. O local, assim como outros tantos na cidade, não é sinalizado, fazendo com que a mulher que pilotava a moto Honda Biz, preta, placa NHD-2979, avançasse a preferencial e fosse atropelada por uma camionete Fiat Strada, que, segundo testemunhas, trafegava em alta velocidade e estaria sendo dirigida por um adolescente de 17 anos de idade, que fugiu do local.

A moto seguia pela Rua São Francisco, no sentido Novo Paraíso-Rio Verde, enquanto o carro se deslocava pela Rua Castro Alves, no sentido Beira Rio-Bairro Guanabara. Com o choque, Claudiomaria foi arremessada para cima, caiu sobre o toldo de uma loja e, depois, na calçada, tendo morte instantânea. O carro ainda arrastou a motocicleta por cerca de 20 metros. A mulher, diariamente, fazia o mesmo percurso, quando ia deixar o almoço do marido, que trabalha próximo do local do acidente.

Moradores e comerciantes localizados no mesmo perímetro em que aconteceu a fatalidade, reclamam da falta de sinalização no local, onde, segundo eles, “não há uma semana em que não aconteça uma batida”.

Fábio Rodrigues, um desses moradores, diz que é necessário que haja sinalização indicando qual a preferencial; e quebra-molas para deter o excesso de velocidade com que os condutores trafegam pelo local. “Depois que acontece o pior, não tem mais jeito”, lamenta.

A comerciante Nice Ribeiro, na calçada da qual a mulher caiu morta, contou que há um ano um caminhão invadiu a casa dela, mas nunca as autoridades do trânsito sinalizaram o local, onde frequentemente há acidentes. “Precisa que administração municipal olhe com mais atenção, porque aqui nesse cruzamento os dois condutores acham que estão na mão correta”, observa.

O Código de Trânsito Brasileiro, na alínea C, do inciso 3, do parágrafo 29, orienta que, em cruzamento sem sinalização, a preferencial é do veículo que estiver na via à direita do condutor. No caso desta manhã, a preferencial era da Fiat Strada.

(Caetano Silva)