TJPA nega liberdade à acusada de assalto à Prosegur em Marabá

Leilane Barbosa Sales alegou que precisava sair da cadeia para cuidar de filhos menores, mas argumento não convenceu desembargadores
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

A Seção de Direito Penal, à unanimidade de votos, em reunião realizada nesta segunda-feira, 24, negou pedido de liberdade a Leilane Barbosa Sales, acusada de integrar associação criminosa que teria explodido e roubado a sede da Prosegur, uma empresa transportadora de valores, em Marabá. A defesa da ré apresentou, dentre outros argumentos, o fato de ser mãe de duas crianças menores, que estariam sob os cuidados de familiares. No entanto, conforme o voto do relator, a acusada não apresentou qualquer documento que comprove a sua imprescindibilidade para cuidar dos filhos.

Leilane e outros acusados teriam participado do roubo à transportadora de valores, causando pânico na cidade, uma vez que teriam posicionado caminhões em duas pontes, explodindo-os para facilitar a fuga. O crime foi cometido em setembro de 2016.

Roubo a banco

Sob a relatoria do desembargador Ronaldo Marques Valle, os integrantes da Seção Penal também negaram pedido de liberdade em Habeas Corpus a Pedro Henrique de Carvalho Oliveira, preso sob a acusação de roubo e associação criminosa por participação ao assalto ocorrido ao Banpará, agência de Bom Jesus do Tocantins, em julho deste ano. A defesa requereu a liberdade sob o argumento de ocorrência de constrangimento ilegal, mas o relator entendeu que haver qualquer irregularidade a ser reparada que ampare a concessão de liberdade.

Pedro Henrique e outras cinco pessoas, dentre eles três policiais militares, foram presos no dia seguinte ao assalto ao banco, em uma vicinal que dá acesso à localidade conhecida como “Km 60”, perto da Vila Brasileira. No assalto a agência bancária foi parcialmente destruída. Os três policiais Moisés Lourencio Pereira, Valdenilson Rodrigues da Costa e Giomar Sampaio de Oliveira, foram presos sob a acusação de darem suporte para fuga, transportando os acusados (Pedro Henrique, Marcos Roberto Morais Araújo e Marco Antonio Freitas de Souza) na viatura da Polícia Militar.

Estelionato

Ainda sob a relatoria do desembargador Ronaldo Valle, a Seção de Direito Penal negou pedido de liberdade a Rafael Alves de Farias, acusado da prática de estelionato. A defesa alegou constrangimento ilegal por excesso de prazo, mas o relator afirmou estar o processo tramitando dentro da normalidade, atendendo aos prazos legais.

De acordo com o processo, Rafael foi denunciado pelo Ministério Público por ter, em tese, aplicado um golpe em uma senhora idosa. Uma pessoa ligou para a senhora se fazendo passar por funcionário de um banco, informando a senhora de que seu cartão havia sido clonado e usado para uma compra de passagem internacional. Disse ainda que precisava de seus dados pessoais, afirmando à senhora que um funcionário do banco passaria na sua casa para pegar o seu cartão bancário, o qual era Rafael. O acusado fez uso do cartão, chegando a despesa a um valor de R$ 53 mil.

Publicidade