Tailândia: Prefeito “Macarrão” ignora decreto estadual e abre geral

O gestor defende a geração de emprego e renda, mas "com cautela e muita inteligência"
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

O município de Tailândia, na região nordeste paraense, está enfrentando a nova onda do covid-19 com o comércio aberto. A decisão partiu do prefeito Paulo Liberte Jásper (MDB), o Macarrão, após a publicação do decreto do governo do Estado que limita o horário de funcionamento de diversos estabelecimentos por sete dias, inclusive com toque de recolher.

“Meu posicionamento a respeito do decreto é de como vamos conduzir este momento, com cautela e muita inteligência. Não podemos parar, precisamos ter responsabilidade e muito bom senso. Isso para evitar o que chamo de caos social”, declarou o gestor durante coletiva de Imprensa ontem, quarta-feira (3).

Na semana em que o município ultrapassou 3 mil casos confirmados e 62 mortes, Macarrão ignora a medida preventiva defende a geração de trabalho e renda. “Cada lugar tem sua característica. Nós precisamos de trabalho e geração de renda. No caso de Tailândia, a nossa indústria é o comércio estarão abertos. Mas precisamos disciplinar as coisas. Vamos zelar nossa vida e dos familiares”, alerta.

Macarrão cita como exemplo a fábrica de confecções, que tem um papel importantíssimo neste período de combate à pandemia, produzindo máscaras e materiais de proteção, na geração de emprego e renda, e principalmente nos serviços sociais, com a produção de fraldas descartáveis e enxoval para famílias que precisam.

Segundo ele, a gestão municipal continuará adotando ações de prevenção e combate ao novo coronavírus, buscando orientar e população sobre atos de higiene e distanciamento social. “É preciso usar álcool em gel, fazer uso de máscara de proteção e evitar aglomerações desnecessárias como festas, encontros sociais com mais de dez pessoas e outros eventos”, encerrou.

(Antonio Barroso)