Sistema inédito reduz custo de transmissão de Belo Monte

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print

Continua depois da publicidade

Vista noturna do canteiro de obras de Belo Monte
Vista noturna do canteiro de obras de Belo Monte

A linha de transmissão que transportará a energia gerada pela hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, no Pará, para os grandes centros consumidores no país será a primeira da América Latina com 800 kilovolts (kv). Atualmente, as linhas existentes no país são, em sua maioria, de 600 kv. Quanto maior a voltagem da linha, menor é a perda de energia pelo caminho.

Segundo especialistas, o novo modelo permitirá o transporte de cargas mais altas de energia e deverá reduzir o custo de operação em até 12% na comparação com a tecnologia anterior.

Belo Monte terá uma das mais longas linha de transmissão do país, de 2.140 quilômetros, cortando os Estados do Pará, Tocantins, Goiás e Minas Gerais.

“A tecnologia de 800 kv é mais cara para instalar, mas reduz o custo operacional do projeto”, afirma o consultor Paulo César Esmeraldo, da consultoria italiana Cesi.

“Ela não trará um desafio de engenharia maior do que a construção de Belo Monte, por exemplo, mas conseguirá transportar a energia com mais segurança e por um valor mais baixo.”

O leilão da linha de transmissão de Belo Monte está previsto para 7 de fevereiro. A Taesa, empresa que tem a mineira Cemig como acionista, é uma das únicas que anunciaram publicamente o interesse em formar um consórcio para disputar o leilão.

Há ainda a expectativa de que a chinesa State Grid forme outro grupo interessado.

“A maior curiosidade do mercado é com relação à participação da Eletrobras e da Cteep [Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista], que tiveram seus caixas impactados recentemente pela renovação das concessões da Aneel”, afirmou Roberto Brandão, pesquisador sênior do Gesel/UFRJ (Grupo de Estudo do Setor de Energia Elétrica).

Tanto Eletrobras quanto Cteep aceitaram renovar concessão de geração e transmissão de vários de seus ativos mediante pagamento de indenização à União.

LINHAS E ATRASO

A mais recente grande linha de transmissão construída no país foi a que ligou as usinas de Santo Antônio e Jirau, no rio Madeira, em Rondônia, aos centros consumidores no Sudeste.

Com 2.385 km e 600 kv, a linha atrasou um ano e dez meses para entrar em operação devido a problemas de licenciamento ambiental. Antes, a linha de Itaipu, com cerca de 800 km, tinha sido a última do tipo construída no país.

Segundo Esmeraldo, da Cesi, há só duas linhas do tipo em operação na China e uma em instalação na Índia.

A usina de Belo Monte é o maior empreendimento hidrelétrico em construção no país e teve sua entrada em operação adiada de 2014 para 2016. A usina terá capacidade para gerar 11.233 megawatts, mas, por não ter reservatórios, vai operar apenas no período de chuvas, o que reduz o aproveitamento de energia para cerca de 4.500 megawatts.

Fonte: Folha Online

Publicidade