Sessão extraordinária nesta segunda para votação de matérias na Câmara

Estão previstos na pauta, a votação da proposta que aumenta repasses federais para municípios e o projeto que autoriza o uso de recursos do Fust para ampliação da banda larga nas escolas
Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on print

Continua depois da publicidade

Em mais uma sessão deliberativa, o Plenário da Câmara dos Deputados pode votar a Proposta de Emenda à Constituição 391/17, já aprovada no Senado, que aumenta para 23,5% o repasse de parte da arrecadação federal a municípios. Está na pauta também o projeto que autoriza o uso de recursos do Fust (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações) para ampliação da banda larga nas escolas.

Atualmente, a Constituição Federal determina à União o repasse de parte da arrecadação do Imposto de Renda e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para estados, Distrito Federal e municípios.

No caso dos municípios, de 49% da arrecadação total dos tributos, 22,5% ficam com as cidades, por meio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). Com a PEC, passam a ser 23,5 pontos percentuais, aumentando o repasse global de 49% para 50% da arrecadação.

O texto prevê um aumento gradativo nos quatro primeiros anos da vigência da futura emenda constitucional. Nos dois anos seguintes, o repasse a mais será de 0,25 ponto percentual. No terceiro ano, de 0,5 ponto percentual; e do quarto ano em diante, de 1 ponto percentual.

Banda larga

A Câmara pode analisar ainda o Projeto de Lei 1481/07, do Senado, que autoriza o uso de recursos do Fust para ampliação da banda larga nas escolas.

O fundo arrecada R$ 1 bilhão anualmente e já tem acumulados R$ 21,8 bilhões, mas praticamente não foi utilizado para investimentos no setor de telecomunicações. Atualmente, a lei permite a aplicação dos recursos apenas para a expansão da telefonia fixa.

Em audiência pública realizada no mês passado, na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática, o governo disse que pretende enviar à Câmara um projeto que permite o uso do dinheiro do Fust por prestadoras em regime privado, como as operadoras de telefonia móvel, e por pequenos provedores que atuam em pequenos municípios brasileiros, que hoje têm dificuldade de acesso a crédito.

Reportagem: Val-André Mutran – Correspondente do Blog do Zé Dudu, em Brasília

Publicidade