Sespa amplia Programa Triagem Pós-Covid para Marabá, Altamira e Santarém

O Serviço será voltado para pacientes que tiveram a doença e apresentam sequelas, como alteração no paladar e olfato, ansiedade, rinite, insônia ou hipertensão arterial
Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on print
Pacientes com sequelas de Covid-19 agora também podem se tratar em Marabá, Altamira e Santarém

Continua depois da publicidade

Para dar suporte às pessoas que apresentam sequelas devido à Covid-19, o governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), vai ampliar o atendimento do Programa Triagem Pós-Covid para Marabá, Santarém e Altamira. O programa atende pacientes que tiveram a doença e apresentam sequelas, como alteração no paladar e olfato, ansiedade, rinite, insônia ou hipertensão arterial.

“A nossa intenção com este programa é continuar o cuidado com o nosso paciente. E agora focando de forma descentralizada para esse atendimento chegar em outras regiões do estado. São muitas pessoas que, mesmo após a doença, continuam procurando atendimento, pois ficaram com alguns sintomas residuais”, enfatiza o titular da Sespa, Rômulo Rodovalho.

Segundo a Sespa, a implantação do ambulatório Pós-Covid-19 do Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém, está com previsão para iniciar os atendimentos na primeira quinzena de setembro. Inicialmente, devem ser disponibilizados 1,2 mil atendimentos mensais, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h. O agendamento será feito via telefone.

Já em Altamira, o atendimento é feito pelo Hospital Regional Público da Transamazônica (HRPT) e pode ser agendado pelo Whatsapp no número (93) 98113-1506. “Já iniciamos os agendamentos e consultas em Altamira. São 100 consultas mensais, 25 por dia, realizadas sempre nas segundas-feiras, das 7h às 17h. No momento do agendamento, é importante apresentar um documento de identificação com foto, comprovante de residência atual, cartão SUS e documentos ou exames realizados durante o tratamento de Covid-19. O atendimento é realizado por um médico e, caso necessário, o paciente pode fazer exames de imagem e laboratório no HRT”, explica Rodovalho.

Em Marabá, o Hospital Regional do Sudeste do Pará Dr. Geraldo Veloso (HRSP) já está promovendo o acompanhamento de pacientes com algum tipo de sequela da Covid-19. O atendimento é realizado por uma equipe multiprofissional da unidade, destacada especialmente para atender pacientes que apresentarem sintomas persistentes. Os relatos mais comuns são falta de ar, dor no tórax, fadiga, entre outros, que se manifestam em diferentes partes do corpo e podem afetar a qualidade de vida do paciente.

Para agendar as consultas no Regional do Sudeste do Pará é necessário entrar em contato por telefone, no número (94) 98116-1989, de segunda a sexta-feira, das 8h às 11h e das 14h às 17h. Os atendimentos são realizados todas às quartas-feiras pela manhã, das 8h às 12h, e quinta-feira, no período vespertino, das 14h às 18h.

A meta é atender cerca de 192 pacientes por mês, uma média de 24 pacientes por dia. De acordo com o secretário Rômulo Rodovalho, em Marabá os atendimentos foram iniciados para os pacientes que estavam internados na unidade e tiveram alta.

“Agora, o serviço está aberto para todas as pessoas acometidas pela doença, oriundas dos municípios da região. Estamos atentos a esses pacientes que enfrentaram uma doença tão grave. Com esse novo serviço, iremos acompanhar de perto essas pessoas, oferecendo um suporte médico adequado para todos”, acrescentou o titular da Sespa

Antes, esse atendimento era ofertado somente na Região Metropolitana de Belém, pela Policlínica Metropolitana. Segundo a Sespa, de janeiro a julho de 2021, já foram realizados o atendimento de 8.884 pacientes com uma média de 1.400 pacientes por mês.

Os interessados devem entrar em contato com a Policlínica, através do whatsapp no número (91) 98521-5110 ou pelo e-mail agendamento.polimetropolitana@issaa.org.br, para realizar o agendamento. E deve ter em mãos os seguintes documentos: RG, CPF, comprovante de residência e cartão SUS.

Tina DeBord – com informações da Sespa