Servidores do Tribunal de Justiça do Pará se mobilizam por reposição salarial

Categoria irá deliberar em Assembleia Geral dia 25 sobre a proposta para a data base e encaminhamento de greve
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Os servidores da justiça paraense estão mobilizados para pressionar o Tribunal de Justiça do Estado a garantir a reposição das perdas salariais decorrentes da inflação do período. A última proposta apresentada pelo TJPA foi de 2% sobre os vencimentos e 0% sobre o auxílio-alimentação, o que não corresponde nem a metade do valor da inflação apurado para a data base 2019, que foi de 4,94%, medido pelo IPCA de abril. A diferença entre a inflação apurada e a proposta da administração se somaria às perdas de 7,04% decorrentes da falta de reposição em 2016, elevando as perdas da categoria para mais de 10%.

Diante dessa situação, o Sindicato da categoria (SINDJU-PA) convocou Assembleia Geral Extraordinária no dia 25 (próxima terça-feira) às 9h em frente ao Prédio Sede do Tribunal, na Av. Almirante Barroso, quando a Diretoria do Sindicato estará reunida com a Administração do Tribunal para a discussão da data base da categoria. Se persistir a postura da direção do Tribunal em não abrir as negociações, a categoria poderá entrar em greve.

Juízes obtiveram 16,38% de reajuste, mas aos servidores é alegada falta de recursos

Segundo Thiago Lacerda, presidente do SINDJU, a Administração do Tribunal não consegue justificar a falta de reposição, baseando-se principalmente numa suposta queda na estimativa de arrecadação do Tesouro Estadual, o que não corresponde aos dados divulgados pelo governo do Estado. “Protocolamos junto à Administração estudo que demonstra haver previsão orçamentária e capacidade financeira e fiscal para a garantia da reposição inflacionária no vencimento dos servidores do judiciário paraense. A explicação apresentada pela Administração é frágil e não se sustenta. Cabe lembrar que esse é o mesmo discurso do ano passado quando o Tribunal negou a reposição das perdas salariais sob a alegação de falta de capacidade financeira, mas no final do ano concedeu aos magistrados em 16,38%”.

Os servidores deverão deliberar no dia 25 sobre a nova proposta que vier a ser apresentada pelo Tribunal de Justiça, bem como quais serão os encaminhamentos em caso de o pleito da categoria não ser atendido. No mesmo dia e horário, haverá manifestação dos servidores nas diversas comarcas do Estado em apoio ao movimento reivindicatório.

NOTA PÚBLICA sobre remuneração de servidores do Judiciário estadual

Presidência do TJPA discorre sobre a revisão anual da remuneração

NOTA PÚBLICA

REVISÃO ANUAL DA REMUNERAÇÃO DOS SERVIDORES DO PODER JUDICIÁRIO

DATA BASE 2019

                        Em respeito a todos os jurisdicionados e, em especial, aos seus servidores, o Tribunal de Justiça do Estado deseja esclarecer que, de maneira transparente e objetiva, suas administrações sempre dispensaram atenção especial ao quadro funcional, buscando assegurar, observados os limites legais para as despesas e a capacidade orçamentária, a devida reposição inflacionária no advento da data-base. E é do conhecimento geral que os níveis de remuneração do Poder Judiciário são bons, muito acima da média salarial brasileira e, seguramente, os mais vantajosos do funcionalismo público estadual.

            É preciso deixar bem claro, por exemplo, que no período compreendido entre 2011 e 2018 foi garantida a reposição das perdas inflacionárias aos servidores na ordem de 60,64% (percentual cumulativo dos 8 anos) em contraposição à inflação acumulada, no mesmo período, de 60,19%.

            Será inaceitável, como desejam alguns, estabelecer igualdade entre magistrados e servidores. Há que se respeitar as diferenças fundamentais entre as carreiras.

            Comparativamente, os magistrados paraenses (cuja revisão do subsídio é competência privativa do Supremo Tribunal Federal para a propositura de lei), só perceberam reposição inflacionária de 26,34% (cumulativamente) nos anos de 2013, 2014 e 2015, em contraposição ao índice inflacionário registrado no período em 62,93%, sendo referência o ano civil (janeiro a dezembro).

            Esclareça-se, também, que a revisão de 16,38% no subsídio da magistratura, com efeitos a partir de janeiro do corrente ano, acabou resultando em perda real de, em média, R$-1.200/mês, posto que para ser viabilizada essa concessão exigiu-se a retirada do auxílio-moradia.

            A direção do Tribunal de Justiça do Estado exorta seu valoroso quadro funcional a refletir sobre a nossa realidade e compreender as medidas necessárias que estão sendo tomadas. As boas práticas de gestão nos conduzem a, neste momento, estarmos em equilíbrio fiscal, mantendo o pagamento de pessoal em dia, sem que tenhamos nos descuidado do compulsório dever de custear o crescimento das despesas decorrentes do aumento vegetativo da folha de pagamento, da implementação do PCCR – Plano de Cargos, Carreira e Remuneração e da chamada de novos servidores para a superação do déficit de recursos humanos. Estamos, igualmente, cumprindo as exigências da Resolução 219/2016 do Conselho Nacional de Justiça que determina aos Tribunais a redução do déficit funcional, devolução de servidores de outras instituições públicas e realização de concursos públicos para preenchimento de funções.

            Nesse contexto, a disponibilidade orçamentária e financeira nos permite a concessão de 2% para a revisão da remuneração dos servidores na data-base de 2019, sem prejuízo do reconhecimento dos resíduos inflacionários, apurados no período de maio/2018 a abril/2019, que serão cobertos tão logo haja disponibilidade financeira.

            Temos a mais irrestrita confiança de que nosso quadro de pessoal, comprometido com a segurança institucional e a responsabilidade no exercício de suas funções, conscientes, também, da privilegiada remuneração percebida no cenário da administração pública estadual, estarão solidários conosco e empenhados na missão de bem servir ao nosso povo.

            Belém (PA), 25 de junho de 2019

            PRESIDÊNCIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARÁ

Publicidade

Relacionados