Prefeitura de Rondon do Pará busca quem venda 4 centrais de ar por R$ 1.726.000

Em licitação cheia de trapalhadas e “marmota” na internet, governo se equivocou com valor real, que é de R$ 15 mil e pouco. Com o “milhãozão”, Rondon compraria parte do Polo Norte.
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Tem alguém aí interessado em vender quatro centrais de ar de 30 mil BTUs por R$ 431.500 cada uma? Se sim, a Prefeitura de Rondon do Pará — uma das mais enforcadas com a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no tocante a despesas com pessoal — abriu licitação anteontem (19) para aquisição de quatro aparelhos do tipo pelo valor estimado de R$ 1.726.000. Isso mesmo: um milhão e setecentos e vinte e seis mil reais. O processo pode ser acompanhado aqui.

A ideia é nobre: atender escolas públicas por meio de um termo de compromisso com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). No entanto, o valor é absurdamente delirante e exagerado, para não dizer incorreto. Com esse valor, a prefeitura local poderia comprar um pedaço do Polo Norte e jogar sobre Rondon do Pará para refrescar o município de 52 mil habitantes, no auge de seus 36 graus de sensação térmica no verão.

O Blog do Zé Dudu fez uma pesquisa de preços e percebeu que uma central de ar de 30 mil BTUs, “top das top”, custa em média R$ 5 mil. Com o valor informado na licitação, daria para comprar, assim, pelo menos 345 aparelhos

Nem tudo é como se lhe parece

Mas tudo não passa de um grave equívoco, que a prefeitura municipal precisa corrigir. Curioso para explorar a licitação e saber mais sobre o “milhãozão” disponível para as quatro centrais, o Blog do Zé Dudu resolveu investigar os documentos do processo e constatou uma verdadeira bagunça nas publicações de anexos referentes ao processo licitatório.

Para começar, a cotação das centrais feita pela administração local ficou no valor global de R$ 15.353,12, com cada aparelho ao custo de R$ 3.838,28, recurso que deve sair do caixa do Fundo Municipal de Educação (FME). Mas nem isso consta do edital do processo. Aliás, a maior parte dos documentos refere-se a outra licitação, relacionada à aquisição de materiais de expediente para atender à Secretaria Municipal de Educação.

O processo de licitação das centrais de ar não constava, até as 14 horas desta sexta-feira (21), do Portal de Transparência do município, que é um dos dez do Pará onde mais se gasta com folha de pagamento. No primeiro quadrimestre deste ano, a administração de Arnaldo Rocha comprometeu 68,12% da receita líquida com pagamento a servidores, o segundo maior percentual de despesa entre os 39 municípios do sudeste do estado.

Publicidade

Relacionados