Servidores do TJPA conseguem acordo e encerram greve

Segundo o Sindju, tribunal se comprometeu em fazer o reajuste salarial de toda a inflação do período, de forma fracionada, além de atender outras reivindicações
Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on print
Imprimir

Continua depois da publicidade

Após 16 dias em greve, os servidores do Tribunal de Justiça do Estado do Pará (TJPA) decidiram, em assembleia geral, encerrar o movimento na tarde de hoje (4), após acordo com a administração do órgão, que decidiu acatar as reivindicações da categoria.

Com o fim da greve, os servidores retornarão ao trabalho nesta quinta-feira (5). “É um sentimento de muita realização por ter visto a força do servidor judiciário que se manteve em greve por mais de 15 dias. Uma greve que foi difícil, foi desgastante, mas a gente sabia que a nossa luta era justa e que teria um bom resultado,” disse o presidente do Sindicato dos Funcionários do Judiciário do Pará (Sindju-PA), Thiago Ferreira Lacerda.

Até a última sexta-feira, o tribunal vinha se recusando a conceder o reajuste salarial de 4,94% aos servidores, referentes às perdas inflacionárias do período de maio de 2018 a abril deste ano. As contrapropostas do TJPA foram recusadas, e ontem (3) o sindicato ganhou a adesão à greve dos funcionários de Marabá, a única entre as cinco grandes comarcas do estado que ainda não havia aderido ao movimento.

“Saímos daqui [TJPA] na última sexta-feira (30), com uma proposta de 2% e mais 1% para o ano que vem. Hoje, a administração se comprometeu em fazer o reajuste integral da inflação, de forma fracionada. Além disso, nós garantimos que não haverá prejuízo na data-base do ano que vem,” anunciou a vice-presidente do Sindju, Danyelle Martins.

Segundo o sindicato, outras conquistas para a categoria foram a mudança no prazo para gozo do banco de horas, que foi estendido para 180 dias; o fim da custódia de armas nos fóruns; a implantação de políticas contra assédio moral no trabalho; a criação da mesa de negociação permanente para que possam ser feitos debates contínuos; abono das faltas dos dias em greve; e a regulamentação do sobreaviso.

Publicidade

Relacionados